Trabalho traz novas cores ao cangaço

27/07/2015 às 18:45 | Publicado em Artigos e textos, Zuniversitas | Deixe um comentário
Tags:

O tema do cangaço sempre me fascinou. E com ele o casal Lampião e Maria Bonita, temas de alguns posts neste espaço. Volto agora com o trabalho original deste Professor. Confiram !


Trabalho traz novas cores ao cangaço

  • Rubens Antônio passou a se interessar pelo tema quando ensinou na Uneb - Foto: Lúcio Távora | Ag. A TARDE

    (Rubens Antônio passou a se interessar pelo tema quando ensinou na Uneb)

O cinza típico da caatinga aparece com alguns tons de verde e serve de pano de fundo à pose de uma moça que faz charme para a câmera fotográfica. A protagonista da imagem é  Maria, a companheira do famoso fora da lei Lampião. Com o uso da  cor, o rosto da personagem expressa ainda mais – em comparação com a versão em P&B conhecida -, a segurança típica de uma mulher que desafiava as  convenções seguidas pela maioria na década de 1930.

O exercício de colorir essas e muitas outras imagens do cangaço foi o caminho encontrado pelo professor Rubens Antônio da Silva Filho para debater um capítulo da história brasileira que ainda causa fascínio.

A inserção de cor  em imagens conhecidas e outras que ele descobriu em  pesquisas será um dos temas abordados no curso  História do Cangaço na Bahia, que vai ministrar de terça a sexta-feira, no Instituto Geográfico e Histórico da Bahia – IGHB (veja mais  informações ao lado).

Geólogo com mestrado na mesma área, historiador e artista plástico, Rubens Antônio começou a se interessar pelo tema no período em que ensinou na Universidade do Estado da Bahia (Uneb).

“No interior do estado, esse tema está presente de uma forma muito forte no imaginário das pessoas”, relata. Além de pesquisar as fontes clássicas – documentos, livros e jornais -, o professor  recolheu depoimentos de pessoas que ainda chegaram a testemunhar  as investidas do bando de Lampião por cidades do interior da Bahia. Ele também encontrou imagens até então guardadas apenas em arquivos particulares.

“Localizei ainda a sepultura de dois cangaceiros e de 14 policiais, além de fotos de cinco matadores de cangaceiros e de outros personagens. Isso tudo em arquivos privados”, conta.

Cor

Para colorir as imagens, Rubens Antônio dá atenção a detalhes como as cores que se aproximam – cinza e  azul, por exemplo -, além de utilizar o senso de lógica e dedução para fazer complementos que as fotografias exigem: detalhes como as sandálias de couro em cenas que o registro só mostra metade das pernas.

De acordo com ele, essas técnicas são próximas da paleontologia. Como são feitas alterações, as imagens modificadas são assinadas pelo professor. “O interessante é que ao se deparar com as imagens coloridas, as pessoas costumam dizer que elas são diferentes do que é  original. Mas, na verdade, o preto e branco é representação também, pois a nossa visão é colorida”, diz.

(Cleidiana Ramos)

FONTE: Jornal A TARDE, Salvador-BA, 26.07.2015 – http://atarde.uol.com.br/bahia/noticias/1699799-trabalho-traz-novas-cores-ao-cangaco

Anúncios

Deixe um comentário »

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: