A cura

26/12/2015 às 11:03 | Publicado em Zuniversitas | Deixe um comentário
Tags:

Esse artigo saiu ontem na Folha. Muito bem escrito, um pouco pessimista, mas válido. Confiram.

questionamento1-300x209


A cura

Deu na “New Yorker”.   fernanda_torres

O doutor Paul Muizelaar, neurocirurgião-chefe da Universidade da Califórnia, em Davis, percebeu que pacientes acometidos por infecções violentas apresentavam redução no tamanho de seus tumores cerebrais.

Estimulado pela invasão bacteriana, o sistema imunológico reconheceria as células cancerígenas como inimigas, o que não é comum acontecer, combatendo-as.

Sem testes prévios em animais, Muizelaar sugeriu a Patrick Egan, um homem desenganado de 56 anos, que ele servisse de cobaia num tratamento que vai de encontro a tudo o que prega a assepsia da medicina moderna.

Egan permitiu que o médico abrisse sua caixa craniana, retirasse o que fosse possível do glioblastoma -um cancro em forma de borboleta que se alastra pelo cérebro- e, antes de fechar, pasmem, mergulhasse o osso do tampo numa solução infectada com Enterobacter aerogenes, uma bactéria fecal do intestino.

Depois da intervenção, o enfermo entrou em coma e passou semanas entre a vida e a morte. Ao fim de um mês, no entanto, áreas da cabeça afetadas pelo tumor haviam dado lugar a uma infecção gravíssima, mas com chances de ser tratada.

As descobertas de Muizelaar me fizeram pensar no glioblastoma que se apoderou do sistema nervoso brasileiro e na sua possível cura.

O tumor formado pelos 400 partidos que ocupam o Congresso com o objetivo de garantir o caixa dois de campanha e se locupletar com o superfaturamento das obras públicas comprometeu as funções básicas do hospedeiro.

Atingimos o estado crítico.

A Justiça investiu contra o tumor silencioso provocando uma infecção ruidosa. As investigações nos afundaram num caldo de coliformes fecais impregnado de Youssefs, Paulos Robertos, Duques, Cerverós e Delcídios.

A cada nome surgiram outros nomes, que deram em mais nomes, numa progressão que englobou tanto o hemisfério esquerdo quanto o direito da central de comandos.

Eleita para servir de antídoto para os males da velha política, a esquerda acabou contaminada, valendo-se do mesmo discurso coronelista do feijão no prato do povo, enquanto negociava caro a sua permanência no poder.

A oposição apoiou a eleição da superbactéria Eduardobacter Cunhenes para a presidência da Câmara a fim de atingir o governo. Agora, não há antibiótico de última geração que dê conta da peste.

Conhecedora profunda das veias abertas da República, Eduardobacter Cunhenes continuará atuante, pelo menos até a volta do recesso parlamentar, ou coma, de fim de ano.

O país se divide entre aqueles que veem o impeachment como solução e os que o encaram como golpe.

Sou contrária ao impeachment porque creio que ele livrará o PT da responsabilidade sobre a crise atual. Só atravessando a fase aguda da infecção, com todos os envolvidos presentes, ganharemos imunidade contra o populismo de esquerda e o oportunismo de direita.

O problema é saber se o paciente resistirá a três anos com taxas altas de inflação, deflação, depressão e rebaixamentos.

Se sobrevivermos, o Brasil terá trocado o câncer de hoje por uma infecção tratável.

É hora de acender as velas.

Feliz 2018.

(Fernanda Torres)

Anúncios

Deixe um comentário »

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: