Um piolho ou uma faxineira em Versalhes ?

17/01/2016 às 18:55 | Publicado em Artigos e textos, Espaço ecumênico | 2 Comentários
Tags: , ,

Óbvio que ele, Veríssimo, não dedicou esse artigo de hoje a ninguém especial, ou a nenhum grupo. Mas eu o dedico aos amigos espíritas, com o máximo respeito a sua crença. Essa constatação que ele faz nesse seu brilhante “Metamorfoses” quantos já não o fizeram ?


Metamorfoses      luis-fernando-verissimo

No seu livro “Fantastic Metamorphoses, Other Worlds”, a inglesa Marina Warner lembra que Platão encerra a sua “República” com a descrição que Sócrates faz dos heróis de Homero escolhendo suas vidas futuras, ou os seres que suas almas habitarão depois da morte. Orfeu escolhe voltar como um cisne; Ajax, um leão; Agamenon, uma águia.

Muitos preferem reencarnações de acordo com o seu passado. O corredor Atalanta quer voltar como atleta. O construtor do Cavalo de Troia quer ser uma artesã, com o mesmo ofício, mas outro sexo. Um bufão escolhe voltar como macaco. Etc.

Mas Ulisses, herói maior da Odisseia, prefere voltar como um homem comum. A alma de Odisseus escolhe o ser que os outros desprezaram para ocupar em sua outra vida. Um bicho simples, um anti-Ulisses que nenhuma aventura tirará de casa.

Quem acredita em reencarnação e pesquisa sobre suas vidas passadas geralmente descobre que foi, se não um herói homérico, nunca menos do que um faraó, uma rainha ou um artista famoso. Ninguém admite ter sido um piolho ou uma faxineira em Versalhes. E todos têm um consolo para a sua atual condição: ela não passa de uma etapa, uma transição entre um grande personagem e outro, fazendo estágio como apenas ele.

O mito socrático introduz a ideia de que se pode escolher nossa próxima vida (primeirão massagista de miss) mas o que fascina é a opção de Ulisses pela mediocridade reconfortadora, pela pacatez como um refúgio.

Ulisses não quer ser mais ninguém, quer ficar a salvo da vida e da História. Ao contrário de quem não se conforma de não ter sido alguma coisa mais do que é em algum lugar do passado, ele opta por não ser nem Ulisses nem coisa parecida, no futuro.

O livro de Marina Warner é sobre transformações a partir do poema “Metamorfoses”, de Ovídio. Transformação como recurso literário, presente em todo tipo de narrativa desde os primeiros mitos até o realismo fantástico, e transformação como mágica e mistério, na outra história da humanidade que coexiste com a história racional, ou em outras feitiçarias além das judaico-cristãs.

O trecho que cita Ulisses é uma digressão sobre a transmigração das almas, a metamorfose final, mas gostei da ideia do nosso herói pedindo apenas descanso para a sua. Afinal, toda a “Odisseia” não passa da história de alguém não querendo outra coisa a não ser voltar para os braços da patroa.

(Luis Fernando Veríssimo)

FONTE: http://noblat.oglobo.globo.com/cronicas/noticia/2016/01/metamorfoses.html

Anúncios

2 Comentários »

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

  1. Nessa linha, acho que o Figueiredo reencarnou um c avalo…

  2. A questão é essa amigo Panta, ninguém quer ter passado por um piolho, ou mesmo uma faxineira de Versalhes. Ai não tem espírita que explique isso. Abs, Jose Rosa.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: