O assassinato em massa dos povos indígenas americanos

09/06/2016 às 3:55 | Publicado em Artigos e textos, Zuniversitas | 3 Comentários
Tags:

Esse artigo eu recebi por email de um grande amigo. É um brado contra toda a secular hipocrisia branca daqueles que invadiram as Américas e destruíram as comunidades que aqui viviam, restando hoje poucos indígenas, quer no norte, quer no sul. quer no centro.


 

O assassinato em massa dos povos indígenas americanos

Indios

Do Informação Incorrecta

O genocídio dos povos indígenas dos Estados Unidos – Parte I

Como de costume, no dia 27 de Janeiro de cada ano é celebrado o Dia da Memória para comemorar os judeus deportados e mortos pelo regime nazista.

Facto curioso: é o único “Dia da Memória”, apesar dos não poucos exemplos de genocídio ao longo da História. Os meios de comunicação realçam pontualmente o martírio do povo judeu, acusando de anti-semitismo e racismo qualquer pessoa que simplesmente coloque não dúvidas mas perguntas, por exemplo acerca da legitimidade das acções de israel ou da ideologia sionista.

Pelo contrário, outros e mais extensos genocídios foram completamente removidos da consciência comum, ou, pior ainda, justificados de várias maneiras. Para tamanho e método de execução, não é minimamente possível comparar o genocídio dos judeus com aquele dos nativos americanos: apesar das dificuldades em obter números certos, não há dúvidas que desde a chegada dos primeiros europeus até o final do séc. XIX, 50 milhões de nativos morreram por causa das guerras, perda do ambiente onde viviam, mudanças no estilo de vida, doenças. Mas outros estudos apontam para 100 ou até 114 milhões de vítimas.

De acordo com o estudioso David Carrasco, em 1500 cerca de 80 milhões de pessoas ocupavam o Novo Mundo: em 1550 apenas 10 milhões de indígenas ainda sobreviviam. No México, havia cerca de 25 milhões de pessoas em 1500 enquanto em 1600 não sobravam mais de que um milhão de indivíduos.

Particularmente trágico foi o destino dos nativos da América do Norte: aqui morreram menos indígenas em termos absolutos, mas o impacto foi de longe mais devastador dado que o total inicial de nativos era bem mais reduzido. Em 1890 não sobravam mais de 250.000 indivíduos, 80 % (cerca de 1 milhão) da população original foi simplesmente exterminado.

“Dia da Memória” também para os nativos americanos? Não há.

Como

O genocídio dos nativos que povoavam a América do Norte (e que são normalmente conhecidos como índios), como vimos, começou alguns anos após a descoberta do Continente e terminou no limiar da Primeira Guerra Mundial, desenvolvido ao longo dum amplo período de tempo e dificilmente definível.

Os meios do genocídio têm sido vários: do massacre de inteiras comunidades por parte de exércitos regulares ou mercenários até a propagação intencional de doenças endémicas como a varíola. Lembramos as palavras do general britânico Jeffrey Amherst durante a revolta de Pontiac em 1763:

Fazem bem a tentar contaminar os índios por meio de cobertores em que dormiram doentes de varíola ou por quaisquer outros meios para exterminar esta raça abominável

Entre os outros métodos de genocídio havia também:

destruição do habitat

caça intensiva ao bisonte, fonte de sustento dos nativos

escravização e extermínio através do trabalho

massacres voluntários

provocar confrontos entre tribos e grupos étnicos

incendiar intencionalmente os frutos da terra

transmitir de forma involuntária novas doenças (contra as quais os nativos não tinham anticorpos)

libertação deliberada de varíola como arma biológica (além dos já citados cobertores, também oferta de comida contaminada)

esterilização forçada

actos voluntários de provocação e sacrilégio contra membros duma tribo para desencadear uma reacção violenta

guerra aberta, com o uso de tecnologias modernas, tais como metralhadoras

assassinatos secletivos de líderes carismáticos

assassinatos deliberados de crianças indígenas capturadas

propagação deliberada de alcoolismo entre os nativos

transferências com marchas forçadas em péssimas condições climatéricas e higiénica

Muitos foram também os índios que morreram em guerras entre potências europeias que ocuparam o solo americano (Espanha, Império Britânico, França) e, posteriormente, durante a guerra de independência das colónias americanas. Nestes casos, os índios que tinham escolhido servir o lado perdedor (e, infelizmente, a maioria fez essa escolha como no caso dos Franceses ou permanecendo leais ao Império Britânico) sofriam as consequências. Os colonos não perdiam nenhuma oportunidade para provocar os índios para que estes cometessem actos violentos, atraindo-os para brigas, violando os seus territórios de caça, exterminando o bisonte, vendendo-lhes álcool. Os povos indígenas destas terras tinha uma longa tradição guerreira e uma psicologia baseada no sentido de comunidade, portanto um mal feito a um membro duma tribo era para eles um acto contra a comunidade toda e desencadeava a reacção índia contra o “inimigo branco” (e essas reacções violentas contra os colonos eram na verdade muito mais perniciosas para os índios).

Outro pretexto que foi utilizado contra os índios foi acusá-los de “tradicionalismo irracional”, isso é, a hostilidade deles em recusar submeter-se a costumes e tradições que não lhes pertenciam e reivindicar direitos sobre enormes porções de terra (que, de facto, sempre lhes tinham pertencido).

A tudo isso era adicionada a ideia de que a história humana é feita de choques de civilizações e, portanto, uma sociedade mais “avançada” e mais poderosa tem o direito legal de utilizar qualquer meio contra culturas mais “fracas”; assim os índios, considerados inferiores aos anglo-saxónicos, não tinham o direito de impedir o desenvolvimento do futuro Estado americano.

Outro aspecto que pesa sobre a questão do genocídio na América do Norte é que os índios, ao contrário de outros casos semelhantes, não abdicaram passivamente dos direitos deles mas reagiram enfrentando corajosamente a violência dos colonizadores com continuas tentativas de libertação, compensando com astúcia e habilidade a enorme diferença de forças no campo, conseguindo não poucas vezes derrotar os adversários.

Como muitas vezes acontece, infelizmente, aqueles que reagem à violência com violência são vítimas do hipócrita pensamento pacifista, pelo que não é raro ver os nativos americanos no papel de “maus”, de guerreiros sanguinários; e “normal” e “justificada” parece a reacção dos colonialistas. Até poucas décadas atrás, Hollywood alimentava este quadro com produções historicamente absurdas nas quais os índios eram invariavelmente os maus da fita.

Porquê

Nos presentes dias deveria ser analisada a razão pela qual um evento tão trágico (e bem pior de outros “holocaustos”) recebe muito pouca atenção por parte das supostas “mentes abertas” da civilização moderna. E isso apesar dos índios ainda representarem uma das faixas mais desfavorecida da população dos Estados Unidos. O rendimento médio semanal duma família indígena é de 30 Dólares (média nacional: 130 Dólares); a expectativa de vida é de 42 anos (média nacional: 67 anos); uma taxa de suicídio e de mortalidade infantil respectivamente 5 e 10 vezes a média nacional; 45% dos habitantes das reservas estão desempregados e 42% deles são analfabetos. Ao mesmo tempo, os territórios das reservas são ricos em matérias-primas: 80% do urânio, 40% do petróleo, 75% do carvão extraídos em todos os EUA vêm das reservas, mas a exploração desses recursos é a prerrogativa de vinte grandes empresas, enquanto aos índios são reservadas apenas pequenas comissões. Para aqueles que procuram uma fuga das reservas, a situação não melhora: tristes realidades dispersas na degradação urbana, poucos recebem ofertas para um emprego estável, a maioria vive marginalizada e desprezada, os descendentes das antigas tribos tornam-se alvo de drogas, alcoolismo e criminalidade.

Não é possível não realçar o enorme contraste com a comunidade judaica, cujos membros têm agora importantes posições institucionais em muitos órgãos políticos e económicos, tanto ao nível nacional quanto naquele internacional; são donos de bancos, corporações, multinacionais, rádio, jornais e televisão.

Se compararmos a área-símbolo da comunidade judaica internacional, ou seja o Estado de israel, com as pobres e exploradas reservas indígenas, o contraste é impressionante.

E aqui pode ser encontrada a razão do esquecimento geral, pois tudo pode ser reconduzido a um mero cálculo económico e geopolítico por parte das potências imperialistas: lembrar o genocídio dos índios em nada favorece nem gera lucros, enquanto o genocídio judeu é útil para tais fins.

Todas estas razões são necessárias não apenas para entender o porquê do genocídio dos nativos americanos ficar “atrás” em relação a outros; mas também para entender que o holocausto dos indígenas da América do Norte ainda não acabou.

FONTE: https://www.google.com/url?q=http://jornalggn.com.br/noticia/o-assassinato-em-massa-dos-povos-indigenas-americanos&sa=U&ved=0ahUKEwjHqOzL4PDMAhVDWh4KHSDdCvAQFggFMAA&client=internal-uds-cse&usg=AFQjCNHfQQSseRfNHX6l1io50EoLODivkQ

Anúncios

3 Comentários »

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

  1. Rosa,
    dois livros fundamentais sobre o assunto:
    1. Enterrem meu coração na curva do rio (http://www.lpm.com.br/site/default.asp?Template=../livros/layout_produto.asp&CategoriaID=527090&ID=607253) sobre o genocídio dos índios norteamericanos
    2. O paraíso destruído (http://www.lpm.com.br/site/default.asp?Template=../livros/layout_produto.asp&CategoriaID=610619&ID=735451) sobre o genocídio dos índios sulamericanos.
    Um abraço,
    Panta

  2. Amigo Panta,

    Excelentes indicações. Agradeço por compartilhar. Suas sugestões sempre engrandecem este espaço. Forte abraço, José Rosa.

  3. […] “O assassinato em massa dos povos indígenas americanos” – […]


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: