A “nova” classe média

03/07/2016 às 11:35 | Publicado em Artigos e textos, Zuniversitas | 1 Comentário
Tags: ,

Excelente esse artigo do Professor Paulo Ormindo. Ele mesmo cita, mas mesmo se não citasse, logo a gente se lembra de Marilena Chaui quando se trata de analisar a classe média.

images


A classe media desce a ladeira  foto Paulo Ormindo

O conceito de classe social não se baseia apenas na renda e na escolaridade, inclui valores que os sociólogos definem como ideologia. Na limitação desta coluna, vou me ater ao conceito corrente de classe média: profissionais de nível superior servindo a empresas
e ao governo, funcionários públicos e privados de nível médio e pequenos comerciantes. Essa classe foi sendo imprensada por duas forças contrárias. De um lado, o desabamento da burguesia industrial brasileira, que produzia e criava empregos, com a chegada das empresas transnacionais robotizadas e, de outro lado, a ascensão, nos últimos 15 anos, da classe trabalhadora. Marilena Chauí tem razão quando afirma que os 40 milhões que saíram da pobreza não entraram na classe média, como afirma o IBGE, senão criaram uma classe trabalhadora com acesso ao consumo de massa, conquista que os trabalhadores europeus e americanos já haviam realizado há 50 anos.

A classe média deixou de ter emprego estável, escola secundária de qualidade, universidade gratuita e privilégios como cozinheira e arrumadeira. Os colégios Central e Aplicação fecharam as portas, as cotas roubaram vagas nas universidades públicas e o Enem nivelou todos, acabando com a indústria do pré-vestibular, uma das válvulas de ingresso na universidade seletiva. Engenheiros, arquitetos, administradores e contadores passaram a
ter contratos com duração de uma obra. Moçoilas chiques são contratadas anualmente pelas butiques para as festas e em seguida demitidas. Devido à instabilidade do emprego, a classe média voltou a colocar os filhos na escola pública e enfrentar as filas do SUS.

Com a regulamentação do ofício de empregado doméstico, a classe média teve que se conformar com uma diarista semanal. Avós passaram a levar e buscar os netos na escola, quando não dividir a casa e a aposentadoria com os filhos. A global Ana Maria Braga se transformou em uma mestra-de-cozinha para a pequena burguesia. Executivos se reúnem em clubes gastronômicos para trocarem receitas e ajudarem às madames nos jantares. Não
se encontram mais encanador, pintor e eletricista. As TVs, sintomaticamente, passaram a ensinar a desentupir a latrina e o ralo, envernizar o móvel velho e fazer a decoração de natal com garrafas pet.

Durante a Colônia e o Império, além dos donos de terra e de minas, que não trabalhavam, havia duas outras classes: os que exerciam as artes liberais, ou seja, trabalhavam com a cabeça, e os oficiais mecânicos, que labutavam com os braços. Essa divisão se estendeu à República. Atividades físicas exercidas por pessoas de menor renda, como consertar sapatos e lavar carros, vão sendo realizadas por franqueados nos shoppings. Barbeiros e cabeleireiros são agora de classe média nos salões de beleza. Ambulantes que vendiam cachorro-quente e garapa são desbancados por food trucks de classe média. Muitos caminhoneiros conseguiram comprar um táxi, mas enfrentam hoje a concorrência dos mauricinhos do uber, com carro, mas sem emprego.

Esta situação foi produzida ironicamente por duas forças antagônicas: a expansão do capitalismo financeiro, que prefere importar a produzir, e de um partido que resgatou milhares da pobreza, mas não conseguiu fazer as reformas que consolidassem o processo. Voltamos ao ciclo da cana, dos grãos, dos currais e da mineração, não mais do ouro, senão do ferro sem valor agregado. Lula, como Getúlio, tentou conciliar a força de trabalho com o capital e se deu mal. Esqueceu que a classe média é a que faz as revoluções. Danton, Lincoln, Lenine, Mao e Guevara eram da pequena burguesia. As manifestações de junho de 2013, de uma classe média enfraquecida, isolada e sem pensamento não tiveram força suficiente para deflagrar mínimas reformas que o país necessita e muito menos uma revolução social. Não será um governo provisório que o terá. Há 70 anos somos o país do
futuro que nunca chega.

(Paulo Ormindo de Azevedo)

FONTE: Jornal A TARDE, Salvador-BA, hoje.

Anúncios

1 Comentário »

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

  1. […] um bom artigo do Professor Paulo Ormindo. O papel dos bancos e as questões atuais da urbe. Confiram […]


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: