O cenário atual da fome no mundo

03/10/2016 às 3:16 | Publicado em Artigos e textos, Zuniversitas | Deixe um comentário
Tags:

Um bom histórico e uma radriografia atual do tema. A origem todos sabemos: a má distribuição da renda e da riqueza!


Mundo produz comida suficiente, mas fome ainda é uma realidade

Concentração da renda e da produção, falta de vontade política e até mesmo desinformação e consolidação de uma cultura alimentar pouco nutritiva são fatores que compõem o cenário da fome e da desnutrição

***

Um estudo publicado pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO, na sigla em inglês) no dia 29 de abril de 2016 mostrou que a produção mundial de alimentos é suficiente para suprir a demanda das 7,3 bilhões de pessoas que habitam a Terra. Apesar disso, aproximadamente uma em cada nove dessas pessoas ainda vive a realidade da fome.

A pesquisa põe em xeque toda a política internacional de combate à subnutrição crônica colocada em prática nas últimas décadas. Em vez de crescimento da produção e ajudas momentâneas, surge agora como caminho uma abordagem territorial, que valorize e potencialize a produção local.

4 seg.

é o tempo que separa cada uma das mortes por fome no mundo

Embora os números absolutos estejam caindo, o tema ainda é um dos mais delicados da agenda internacional. A questão é tão antiga quanto complexa, e se conecta intrinsecamente com a estrutura política e econômica sobre a qual o sistema internacional está construído.

Concentração da renda e da produção, falta de vontade política e até mesmo desinformação e consolidação de uma cultura alimentar pouco nutritiva são fatores que compõe o cenário da fome e desnutrição no planeta. Entenda abaixo as questões que envolvem o tema.

Quais são as definições de fome?

Existem diferentes estados de insuficiência alimentar categorizados, e todos eles afetam tanto o desenvolvimento daqueles atingidos quanto da sociedade e da economia do país. Essa é a classificação feita pela FAO, principal organização internacional a tratar do tema.

  • Insegurança Alimentar: situação de quem não tem garantia de acesso a quantidades suficientes de comida saudável e nutritiva para seu desenvolvimento normal. Causada pela inexistência de comida à disposição, falta de poder aquisitivo para a compra de alimentos ou uso inadequado da comida em casa. Pode ser crônica, temporária ou transitória.
  • Má nutrição: condição fisiológica anormal, causada por consumo inadequado de nutrientes. Inclui desnutrição.
  • Desnutrição: condição de absorção deficiente de nutrientes causada por repetidas doenças infecciosas.
  • Subnutrição: estado de incapacidade em obter comida suficiente para atingir os níveis mínimos de energia necessários para uma vida saudável e ativa.
  • Fome: termo sinônimo de subnutrição crônica, ou seja, quando o estado de subnutrição dura por mais de um ano.
Quando aconteceram as grandes ondas de fome?

Memorial na Irlanda às vítimas da onde de fome que abateu o país em 1845. Foto: Tim Sackton / Creative Commons.

A fome é um fator presente ao longo de toda a história da humanidade, e ondas de mortes causadas pela falta de alimentos não eram algo incomum até pouco tempo atrás. A agricultura de subsistência sempre esteve sujeita a intempéries naturais, como enchentes, e secas, impactando o abastecimento das populações que dependiam de sua produção.

Historiadores indicam a Inglaterra como o primeiro país, ainda no século 17, a colocar em prática um esforço coletivo para superar a fome, acreditando ser esse um fator que impedia o seu desenvolvimento. Não por acaso, esse pensamento surge em meio ao processo de industrialização britânico, conhecido como a primeira revolução industrial.

A ideia de fome enquanto problema humanitário, contudo, é ainda mais recente. Segundo o historiador James Vernon, até por volta de 200 anos atrás, as pessoas com fome eram tratadas como uma situação natural, inevitável ou até mesmo necessária. O fator religioso também teve sua influência, e apesar de já existirem atos de caridade para ajudar pessoas famintas, havia uma visão geral na sociedade de que eram frutos da vontade divina.

“Naquela época, a fome era vista como uma coisa boa e necessária: ela ensinava aos preguiçosos e indigentes a disciplina moral do trabalho; ela os ensinava como entrar na modernidade enquanto indivíduos industriais, capazes de competir em uma economia de mercado e sustentar suas famílias.”

James Varnon – Historiador, em sua obra ‘Fome – uma história moderna’

A interpretação de que a fome é um fator natural foi sendo superada ao longo dos últimos séculos, mas ondas de mortes continuaram acontecendo em momentos históricos recentes.

Algumas ondas de fome

Índia (1783)

Um dos maiores exemplos históricos de ondas de fome causadas por fatores naturais. O El Niño – fenômeno natural que muda as temperaturas do oceano, causando alterações climáticas ao redor do mundo – fez com que os anos de 1783 e 1784 fossem excepcionalmente gelados no norte da Índia, causando a destruição das plantações e matando milhões de pessoas. Somando os mortos com a onda de fome que abateu o sul do país dois anos antes, a quantidade total chega a 11 milhões.

Irlanda (1845)

A chegada de um fungo proveniente das Américas destruiu as plantações de batata do país por cinco anos seguidos. Um terço dos irlandeses dependiam do tubérculo como base de sua alimentação. A destruição das fazendas, combinada ao bloqueio comercial imposto pela Inglaterra, que impedia os irlandeses de importar comida, gerou pelo menos um milhão e meio de mortos (um oitavo de toda a população) e dois milhões de imigrantes.

China (1958)

Tabu até hoje, o período é conhecido no país como “os três anos de dificuldade”. Durante o projeto político “Grande Salto Adiante”, do governo Mao Tsé-Tung, fazendas passaram para as mãos do Estado, e a mão-de-obra foi realocada. Isso, combinado a questões climáticas, fez com que a produção fosse insuficiente para toda a população chinesa. As mortes aconteceram em praticamente todas as províncias do país, e historiadores calculam que a fome matou por volta de 36 milhões de pessoas.

Coreia do Norte (1994)

Kim Jong Il assume o país na Guerra Fria e dá prosseguimento à política de destinar a produção de alimentos ao exército e à população da capital Pyongyang, sua base política. Em 1995, chuvas torrenciais destroem 15% das fazendas do país. A população rural entra em guerra com o governo, que é obrigado a pedir ajuda humanitária internacional. A situação dura até 1998. O saldo de mortos pela fome ficou em torno de três milhões de adultos – não se sabe o número exato de crianças.

Como está a fome no mundo hoje?

As últimas décadas foram de grande evolução no combate à fome em escala global. Nos últimos 25 anos, 7,7% da população mundial superou o problema, o que representa 216 milhões de pessoas. É como se mais que toda a população brasileira saísse da subnutrição em menos de três décadas. Contudo, 10,8% do mundo ainda vive sem acesso a uma dieta que forneça o mínimo de calorias e nutrientes necessários para uma vida saudável, e 21 mil pessoas morrem diariamente por fome ou problemas derivados dela.

A divisão entre países ricos e pobres

Na década de 1960, o mundo passou por um aumento populacional inédito devido à brusca queda na taxa de mortalidade, gerando preocupações sobre a capacidade dos países em produzir comida para todos. A solução encontrada foi de desenvolver tecnologia e métodos que aumentassem a produção.

Em 1981, o indiano ganhador do Prêmio Nobel de economia, Amartya Sen, em seu livro “Pobreza e Fomes”, identifica a existência de populações com fome mesmo em países que não convivem com problemas de abastecimento. O economista indiano traçou então, pela primeira vez, uma relação causal entre a fome e questões sociais – como pobreza e concentração de renda. Tirou, assim, o foco de aspectos técnicos e mudou o tom do debate internacional sobre a questão e as políticas públicas a serem tomadas a partir daí.

Duas metas mundiais, que foram traçadas nas últimas décadas em programas de combate a fome, venceram em 2015. Em 1996, a World Food Summit, sediada em Roma e com a participação de 182 países, estabeleceu o objetivo de “reduzir o número de pessoas desnutridas pela metade do nível [de 1996] no máximo até 2015”. A meta era ter hoje 515 milhões de pessoas passando fome. Mas ela não foi atingida, e atualmente há 795 milhões de pessoas nessa situação.

Líderes mundiais em Conferência da ONU para estabelecer Metas do Milênio. Foto: Terry Deglau/Un Photo.

O outro objetivo faz parte das Metas do Milênio da ONU, desenvolvidas em 2000 e assinadas em 2001. Se comprometia a reduzir, também pela metade, a porcentagem de pessoas com fome no mundo, tendo como base o período de 1990 a 1992. Nesse caso, a meta também não foi atingida: o índice era para estar em 9,3% da população mundial, mas ainda está em 10,8%.

Com a exceção do Oeste Asiático, todas as regiões foram capazes de diminuir a fome em alguma medida desde que as Metas do Milênio foram traçadas. Grandes contrastes, contudo, ainda permanecem: a América Latina conseguiu atingir um nível de fome inferior a 5%, mas Oceania, Caribe, África Subsaariana e Sudoeste Asiático não conseguiram reduzir pela metade sua população com fome.

O que acontece com a comida produzida?

Homem procura comida desperdiçada por mercado em Bilbao, na Espanha. Foto: Vincent West/Reuters

A produção mundial de alimentos é largamente superior à demanda, mas acaba sendo, em grande parte, desperdiçada. O gráfico abaixo mostra como o crescimento da produção calórica mundial cresceu nas últimas duas décadas, atingindo a marca de 123% da necessidade per capita atual.

Produção

Contudo, de acordo com a FAO, um terço de toda a comida produzida anualmente (em torno de 1,3 bilhões de toneladas) não é consumida. De tudo o que é jogado fora, apenas 25% já seria suficiente para abastecer a população com fome. O desperdício pode se dar de duas maneiras:

  • Perda: comida que acaba indo para o lixo antes de chegar ao consumidor final. Muitas vezes, ela nem chega ao fim do processo de produção, apodrecendo antes. As perdas sempre ocorrem sem intenção.
  • Desperdício: são os casos em que a comida passou por todo o processo de produção em condições perfeitas para consumo, mas acabou sendo jogada no lixo, por vendedores ou consumidores.

A quantidade de comida não consumida é parecida entre os países desenvolvidos e as regiões em desenvolvimento. Nos países ricos, 670 milhões de toneladas vão para o lixo anualmente, enquanto nos países mais pobres, essa quantidade é de 630 milhões. Deve ser levado em consideração, contudo, que a população dos países em desenvolvimento é bem maior.

Se o cálculo for feito per capita, a diferença é latente: segundo a FAO, europeus e norte-americanos jogam, por pessoa, de 95 a 115 quilos de comida no lixo todo ano. Na África subsaariana e no Sul e Sudeste Asiático, a média por pessoa é de apenas 6 a 11 quilos.

A forma como essa comida é descartada também apresenta profundas diferenças. Mais de 40% dos casos nos países ricos entram na categoria de desperdício, ou seja, o alimento estava em perfeitas condições quando foi descartado. Já em países mais pobres, isso acontece em menos de 5% dos casos.

Os números mostram, portanto, que países ricos têm maior tendência a jogar comida fora, mesmo estando em perfeitas condições de uso, e convivem com poucas perdas. Já nos mais pobres ocorre o inverso, muita comida vai pro lixo por problemas ao longo do sistema de produção e transporte, mas as pessoas aproveitam quase todo o alimento que chegam até elas.

Como vai pro lixo?

Segundo Robert van Otterdijk, oficial da FAO para a Agroindústria, há uma relação clara entre a renda e a atitude de um indivíduo com a comida própria para consumo. Isso afetaria diretamente o acesso das populações mais pobres à produção alimentícia.

“Se commodities vendidos globalmente, como cereais, são desperdiçados e jogados fora, isso afeta o seu preço em escala global. Portanto, se pessoas em países ricos jogam fora produtos provenientes de cereais, isso provavelmente vai afetar seu preço em países pobres, onde as pessoas não podem arcar com preços mais altos.”

Robert van Otterdijk – Oficial da FAO para agroindústria

Segundo as Nações Unidas, o primeiro passo para evitar o desperdício é que as pessoas reduzam o consumo, ou seja, comprem apenas o que for necessário para uma dieta saudável. Depois, reutilizem o alimento que ainda tem condições de consumo, o que serve tanto para compradores quanto vendedores, que descartam alimentos consumíveis por apresentarem aparência física pouco atrativa. Além disso, a reciclagem – como a utilização de alimentos para animais – e a otimização da utilização do solo são outros pontos que precisam ser trabalhados.

US$ 750 bilhões

é o valor de produção da comida não aproveitada anualmente

US$ 1 trilhão

é o valor em preços de mercado – equivalente a duas vezes o PIB da Noruega

Quem são os mais atingidos pela fome?

Criança mostra seus dedos desnutridos ao tocar rosto da mãe no Níger. Foto: Finbarr O’Reilly/ Reuters.

A fome atinge principalmente as populações mais pobres, já que está relacionada às desigualdades econômicas e sociais nas mais diferentes escalas – de global a regional. Entre a população com fome, contudo, as crianças constituem um grupo ainda mais vulnerável.

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde, 11% das crianças com menos de 5 anos em todo o mundo estão abaixo do peso ideal. Como reflexo, 66 milhões delas vão à escola com fome, sendo que 23 milhões estão na África. Além disso, outras 67 milhões de crianças em idade escolar não frequentam as aulas, reflexo da pobreza familiar, que as força a trabalhar para ajudar na renda de casa.

A situação das crianças é, em parte, decorrência do que ocorre com suas mães: 60% da população mundial que sofre com a fome é mulher. Apesar de representarem 43% da mão de obra rural mundial, as mulheres têm acesso restrito ao controle de terras e animais em todas as regiões do mundo. Não conseguem acesso a sementes melhores e fertilizantes, além de encontrarem muito mais dificuldades em conseguir financiamentos para suas lavouras.

Mulheres trabalha em plantação de arroz no Vietnã, no Sudeste Asiático. Foto: Reprodução/Bread for the World

O machismo na produção agropecuária faz com que a produção feminina seja, em média, 25% menor do que a masculina.

150 milhões

de pessoas superariam a fome caso as mulheres tivessem acesso aos mesmos recursos dos homens na agricultura

Como reflexo desse quadro, aproximadamente metade das mulheres grávidas de países em desenvolvimento apresentam anemia, gerando 110 mil mortes durante o parto todos os anos. Além disso, bebês que nascem abaixo do peso são 20% mais suscetíveis a falecerem antes dos 5 anos, segundo a WFP, instituição internacional para combate à fome ligada à ONU.

98%

da população com fome está em países em desenvolvimento

Haiti, Zâmbia, República da África Central, Namíbia e Coreia do Norte são os países proporcionalmente mais atingidos pelo problema, com mais de 35% de suas populações com fome. O Sudoeste Asiático e a África Subsaariana são as regiões do planeta com a maior população com subnutrição crônica, somando juntas aproximadamente 500 milhões de pessoas.

Ranking da desnutrição

* A FAO divulga os dados da Oceania sem a presença de Austrália, Nova Zelândia e Nova Caledônia.

Por que as políticas não funcionaram e precisaram mudar?

Fazendeiros de cooperativa agricultora no Mali apoiada por projeto da ONU. Foto: Marco Dormino/Un Photo.

As políticas de combate à fome, adotadas até aproximadamente o início da década, focaram sobretudo na ajuda emergencial e no aumento da produção. Ou seja, acreditava-se que para acabar com a subnutrição, bastava, primordialmente, produzir mais e levar comida a populações com fome.

Depois que as metas traçadas não foram alcançadas, organizações que lidam com o tema entenderam que era necessário criar ações permanentes e estruturais. Surgiram então dois aspectos principais.

Um trata do principal motivo: a pobreza. A comida não chega a quem precisa porque, na maioria dos casos, as pessoas não têm dinheiro para comprá-la. Seja nos países mais pobres ou nos mais ricos, pessoas têm dificuldades em conseguir alimentos por serem economicamente excluídas, e não porque não tem comida suficiente.

Uma criança que vive numa favela do Rio de Janeiro, por exemplo, está mais suscetível a passar fome e conviver com a insegurança alimentar do que uma outra criança que mora em um condomínio de luxo, a três quarteirões de distância. Se a comida chega pra uma, também chega pra outra. A diferença é que uma pode comprá-la e a outra não.

Fazendeiros vendem seus produtos no início da manhã em Laos. Foto: Courtesy of FAO Aquaculture Photo Library.

O outro aspecto tem a ver com a forma de desenhar políticas em escala global. É a territorialidade. Isso significa que as organizações entenderam que o combate à fome tem que ser feito levando em conta questões específicas de cada lugar. Pessoas em cidades não passam fome pelos mesmos motivos que pessoas do campo.

A primeira pode sofrer com falta de acesso a supermercados mais baratos, pois o transporte público é ineficiente, por exemplo; a outra, porque não tem acesso a grãos para plantar para sua família, ou porque os animais que cria não ganham peso. As políticas, para cada um desses casos, tem que ser diferentes: transporte público de qualidade e incentivos a redes de supermercados mais acessíveis na cidade, e distribuição de grãos e programas de educação agropecuária para a população rural.

No Brasil: o que foi feito para sairmos do mapa da fome?

No ano de 2014 o Brasil saiu, pela primeira vez, do mapa da fome divulgado pela FAO. O avanço, segundo as Nações Unidas, foi resultado de uma ação coordenada que agiu em diversas esferas da realidade social posta.

“A visão da FAO é de que uma ampla gama de medidas integradas são necessárias, incluindo ‘proteção social’ e programas de transferência de dinheiro como na linha do Bolsa Família. Como são muitas coisas que devem ser feitas, e elas devem ser coerentes, o elemento mais importante é ‘vontade política no nível mais alto’, ou seja, comprometimento dos governos nacionais”

FAO – Órgão das Nações Unidas, em entrevista ao Nexo

A ONU destaca a importância de programas sociais como o “Bolsa Família”, sobretudo porque permitiram uma maior integração das mulheres na atividade econômica – no caso do “Bolsa Família”, é a mulher quem recebe o benefício.

A FAO ressalta em seu relatório que “em muitos casos, os efeitos positivos do crescimento econômico na segurança alimentar e na nutrição estão relacionados à maior participação feminina na força de trabalho. No Brasil, por exemplo, a participação das mulheres aumentou de 45% em 1990-94 para 60% em 2013”.

A relação entre pobreza e subnutridos

José Graziano da Silva, agrônomo, professor brasileiro e um dos principais responsáveis por elaborar o programa “Fome Zero”, implantado em 2003, é Secretário-Geral da FAO desde junho de 2011.

Em uma publicação organizada por Graziano para o Ministério do Desenvolvimento Agrário em 2010, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva ressalta que o desenvolvimento do “Fome Zero” se deu pelo Instituto Cidadania ao lado de “ONGs, institutos de pesquisas, sindicatos, organizações populares, movimentos sociais e especialistas ligados à questão da segurança alimentar de todo o Brasil”, conforme recomendam as organizações internacionais.

O esquema de organização das políticas de combate à miséria se deu em três níveis: estruturais, específicas e locais. Segundo relatório do Banco Mundial, o número de brasileiros vivendo com menos de U$ 2,5 dólares (cerca de R$ 8) por dia caiu de 10% para 4% entre 2001 e 2013.

Estratégia para vencer a fome no Brasil

Políticas Estruturais

As políticas estruturais estão relacionadas a ações mais dispersas, com o objetivo de melhorar a política social como um todo do país e diminuir a desigualdade econômica. Fazem parte disso políticas de geração de emprego, reforma agrária, políticas de incentivo à agricultura familiar, uma previdência social universal e programas de transferência de renda, como o “Bolsa Família”.

Políticas Específicas

São aquelas destinadas diretamente a assuntos relacionados à garantia de que as pessoas terão comida, mas ainda são políticas gerais, levadas a todas as regiões do país nos mesmos moldes. Fazem parte das políticas específicas ações como doação de cestas básicas emergenciais, manutenção de estoques emergenciais de comida, educação de consumo de alimentos, ampliação de merenda escolar, entre outros.

Políticas Locais

São as políticas desenhadas de maneiras diferentes para ambientes e populações diferentes. É o tipo inverso das políticas “de baixo para cima” citadas anteriormente como o modelo desaconselhado pelas organizações internacionais. A diferenciação se deu entre áreas rurais, áreas urbanas pequenas ou médias, e metrópoles, com ações desenhadas para cada um desses tipos de organização social.

Em aspas: o que as autoridades têm a dizer sobre a fome?

“Nós temos a oportunidade de acabar com a fome no tempo de nossas vidas. Esse é o maior legado que podemos deixar para as futuras gerações”

José Graziano da Silva – Secretário-geral da FAO

“Fome crônica é a falta de oportunidade, ou ter sistematicamente negada a oportunidade de ter dinheiro suficiente, de produzir sua própria comida, de ser educado, de aprender as habilidades necessárias para suprir suas necessidades básicas e de ter voz nas decisões que afetam sua vida”

Joan Holmes – Fundadora e ex-presidente do “The Hunger Project”, organização global de combate à fome

“Nutrição é mais do que alimentar pessoas. Ela exige atenção à saúde, agricultura, educação, empoderamento das mulheres e água”

Ban Ki-moon – Secretário-Geral da ONU

“Fome não é um fenômeno natural. É uma tragédia criada pelo homem. As pessoas não acabam na fome porque não tem comida suficiente. Elas acabam na fome porque o sistema que entrega a comida da plantação para o nosso prato está quebrado. E agora nessa nova era de crises – com o cada vez mais severo e extremo clima e a diminuição de nossos recursos naturais – alimentar o mundo vai ficar ainda mais difícil”

Desmond Tutu – Arcebispo sul-africano ganhador do Nobel da Paz em 1984

(Rafael Iandoli)

Veja documentários sobre o tema no link original da matéria: http://www.papodehomem.com.br/mundo-produz-comida-suficiente-mas-fome-ainda-e-uma-realidade


FONTE: http://www.papodehomem.com.br/mundo-produz-comida-suficiente-mas-fome-ainda-e-uma-realidade

Anúncios

Deixe um comentário »

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: