O MOTO-PERPÉRUO DO CRIME

23/02/2017 às 3:38 | Publicado em Artigos e textos, Zuniversitas | Deixe um comentário
Tags: , ,

Um dos melhores textos que li sobre a questão atual dos presídios e presidiários deste país. Da forma que se apresenta e com a evolução prevista seremos todos condenados ! (Editorial da revista SUPERINTERESSANTE, fevereiro/2017)

Presidios


O MOTO-PERPÉRUO DO CRIME

O BRASIL TEM MAIS PRESIDIÁRIOS DO QUE MÉDICOS – são 620 mil  detentos contra 400 mil doutores. A quantidade-de presos -cresce 7% ao ano, taxa que dobrou a população carcerária na última década. Outro aumento, menos palpável, foi o da eficiência do crime organizado, que transformou nossos presídios em quartéis-generais do tráfico.

Foi uma necessidade operacional. O core business do crime organizado é uma atividade complexa, que requer capital intensivo, comércio internacional, implantação de franquias e toneladas de logística: o tráfico de cocaína. Cada um dos diretores dessa operação não pode
se dar ao luxo de tirar um período sabático cada vez que vai preso. Para a empreitada funcionar a contento, garantindo oferta constante do artigo boliviano em todo o território nacional, o cárcere tinha que deixar de ser um empecilho. Como deixou.

Deixou porque o produto que eles vendem tem demanda inelástica – um consumidor de crack não diminui sua dieta de pedras quando o preço aumenta. Essa e outras características da mercadoria garantem faturamentos pouco triviais. Um quilo de cocaína na Bolívia custa menos de R$ 10 mil. Nas ruas de São Paulo ou do Rio, depois de ·batizado,ele- rende – R$ 200 mil. Quase 2.000 de lucro, sem imposto de renda. Graças a margens assim, PCC, Cv.
FDN e outras irmandades do crime privatizaram o sistema carcerário. Seu poder econômico garantiu vista grossa das autoridades e lealdade canina do exército de 620 mil condenados, transformando nossos 1.400 presídios numa rede hiperconectada a serviço do tráfico. Pior: quanto mais gente acaba atrás das grades, mais essa rede cresce, num moto-perpétuo em que o combate ao crime retroalimenta o crime. Tal façanha renderia a cada um dos líderes das facções rivais um prêmio de Empresário do Ano, caso eles operassem dentro da Lei.

Como não operam, não podem contar com ela quando se sentem prejudicados. Então lavram eles mesmos as sentenças contra os rivais. Os assassinatos nos presídios de Manaus em janeiro foram uma punição da FDN ao PCc. E as retaliações e contra-ataques seguirão tingíndo as paredes das celas de vermelho. A fórmula para conter tal barbárie é óbvia: o
Estado retomar o controle dos presídios. Mas, do jeito que as nossas cadeias estão, isso será ainda mais dífícil do que já parece. Que nossos governantes não esperem sentados,
porque, se o país continuar especializando-se em produzir bandidos cada vez mais poderosos e violentos, em breve não serão só 620 mil presos. Seremos 205 milhões de condenados.

(Alexandre Versignassi, DIRETOR DE REDAÇÃO)

FONTE: Revista SUPERINTERESSANTE, fevereiro/2017

Anúncios

Deixe um comentário »

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: