Não somos 1%

31/03/2017 às 22:48 | Publicado em Artigos e textos, Zuniversitas | 1 Comentário
Tags: , ,

No final deste dia de manifestações por todo o país, compartilho esse artigo de hoje do Professor de História da UFBA Carlos Zacarias de Sena Júnior para nunca esquecer a “Gloriosa de 64” e refletir sobre o momento político atual que passamos o povo, o país e a Nação.

nego


Não somos 1%  carlos-zacarias_thumb

Resultaram em retumbantes fracassos as manifestações convocadas pelas organizações Movimento Brasil Livre (MBL) e Vem pra Rua no último domingo. Sob o pretexto de apoiarem a Lava Jato e lutarem contra a corrupção, mas endossando as medidas adotadas por um Congresso e um governo cujos membros estão denunciados por corrupção, os grupos das
novas direitas promoveram atos programados desde meados de fevereiro e amplamente propagandeados por semanas, mas tudo que conseguiram colher das ruas foi fracasso e vergonha.

Após o fiasco, líderes das duas organizações, e de outras menores, minimizaram a  baixíssima adesão aos atos, alegando a complexidade dos temas. Falando ao site do El País (Brasil), Kim Kataguiri afirmou: “Evidentemente não vamos reunir milhões de pessoas como na época do impeachment porque era uma bandeira histórica, muito mais engajante do que essa. Mas também nenhuma democracia saudável mobiliza dois milhões de pessoas com frequência”. A questão é que nove dias antes, perto de um milhão de pessoas saíram às ruas de todo país contra as mesmas reformas que o MBL e o Vem pra Rua convocaram atos para
defender.

Ao que parece, tanto as organizações das novas direitas estão perdendo credibilidade, quanto as pessoas se deram conta do retrocesso social a que o Brasil está sendo conduzido. A propósito, em sua coluna na FSP, Mônica Bérgamo registrou que 74,8% dos manifestantes que estiveram na Av. Paulista eram contra a reforma da Previdência proposta pelo governo e 46,48% disseram que desejam ver Temer fora da presidência. Ou seja, dois terços dos manifestantes eram contrários às duas principais bandeiras do ato.

É possível que uns tantos desavisados tenham errado de manifestação, mas não parece improvável que quanto ao governo alguns queiram um presidente ainda mais à direita do que este que aí está. Para os primeiros é ainda possível acertarem o passo com a história, mas para os segundos o melhor a fazer é se recolherem às suas casas para não serem varridos para a lata de lixo da história junto com aquele 1% que a direita representa.

Já nesta sexta-feira, 31, dia em que recordamos os tristes acontecimentos que sucederam no Brasil há pouco mais de 50 anos, novos protestos estão marcados, desta feita pelas organizações populares que são contra as reformas previdenciária e trabalhista do governo e também contra a lei das terceirizações recentemente aprovada pela Câmara. Os atos são preparatórios para uma greve geral marcada para o dia 28 de abril.

Na semana em que muitos lembrarão com tristeza o fosso em que o país se meteu ao longo de 21 anos de ditadura, nada melhor do que recuperar o protagonismo político e o controle das ações nas ruas, contribuindo para que o Brasil retome, definitivamente, o caminho do progresso e de uma efetiva justiça social.

(Carlos Zacarias de Sena Júnior)

FONTE: Jornal A TARDE, Salvador-BA, hoje.

Anúncios

1 Comentário »

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

  1. […] em tempos de um povo desmemoriado. Obrigado mais uma vez ao Professor de História da UFBA Carlos Zacarias de Sena Júnior por seus artigos tão […]


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: