Defeito de fabricação

15/05/2019 às 3:35 | Publicado em Artigos e textos | 2 Comentários
Tags: ,

É o retrocesso representado pelo nosso maior mandatário. São vários parafusos faltando na cabeça dele, não é só um. Excelente essa crônica do Professor Jorge Portugal.

image


Defeito de fabricação jorgeportugal

Gente boa, depois de ter desistido de estudá-lo no campo da política, filosofia, sociologia, religiões comparadas, cibernética retrô, semiótica dodecafônica, para não enlouquecer de vez, resolvi dar uma chance à velha e boa psicologia básica, afinal eu não tinha passado uma bela temporada nos 1970/80 em São Lázaro jogando dominó ou tocando violão. Fiz os dois, é bem verdade, mas mantive boas conversas com os decifradores da mente humana e do comportamento esquisito dessa espécie surpreendente chamada Homo sapiens. E de lá trouxe respostas preciosas para o mistério. O mistério – acho que vocês já podem deduzir — atende pelo nome pomposo de Jair Messias Bolsonaro, ora sentado na cadeira número um do poder nacional. Minto: eles, pois como se houvesse uma sobreposição de corpos, os seus filhos também estão sentados lá.

A psicologia me disse que, em termos de estrutura mental, a cabeça de Bolsonaro ficou congelada na Guerra Fria. A sua cosmovisão, os seus valores são todos daquela época. Ainda. E, naquela época, ele era um militar bem convencional, vivendo na banda ocidental do mundo, num pais chamado Brasil, sob um terrivel regime de força, consequência de um golpe para o qual ele, Bolsonaro, contribuiu. O planeta era bipolar (epa!). De um lado, mandava a ideologia capitalista, com seu liberalismo econômico sob a liderança dos EUA; e do outro a ideologia comu- nista, comandada pela União Soviética e seus satélites. Ninguém pulava de um muro para outro, e o adversa que era O inimigo a ser exterminado. No Brasil, impuseram a Doutrina de Segurança Nacional, que nomeou como “inimigo interno” qualquer comunista que fosse, mesmo que até fosse um mero liberal, Mas… se era oposição à ditadura, comunista era!

Os anos passaram, as décadas também, a Guerra Fria acabou, a União Soviética ruiu, o Muro de Berlim caiu, os comunistas mudaram para outra galáxia, mas a cabeça de Jair ficou na Guerra Fria. Em 2018, tragédia das tragédias, Jair Messias, por uma conjunção tenebrosa de fatores, elege-se presidente da República. Ele, que era um mediocre deputado federal eleito e reeleito pelo voto dos fração fascistoide carioca e evangélicos fundamentalistas, viu-se com a votação gigantesca que o colocou no poder. Só que… com a mesma cabeça daquele “milico guerra fria”. No seu governo, a vertente neoliberal é governada por Paulo Guedes; da vertente militar, os próprios militares cuidam, com seus planos ainda indecifráveis para todos nós. E o presidente, eleito por 54% do voto brasileiro, concentra-se em governar exclusivamente para… 10% da população, se muito. A minúscula parcela nazifascista que pensa pela cabeça de Olavo de Carvalho. Porque a cabeça de Jair nem pensar pensa!

(Jorge Portugal)

FONTE: Jornal A TARDE, Salvador-BA, 14.05.2019

Anúncios

Blog no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: