DIA DO TRABALHADOR – ORIGEM

01/05/2020 às 17:05 | Publicado em Midiateca, Zuniversitas | Deixe um comentário
Tags: , , , ,

Neste Dia do Trabalhador, minha homenagem final. Esse excelente vídeo foi enviado via zapzap por meu irmão mais novo, Luiz Arthur, a quem muito agradeço. Além da questão trabalhista, o vídeo ainda serve de alerta para aqueles que teimam em ser a favor da pena de morte.


O mundo parou para o humano descer

04/04/2020 às 21:01 | Publicado em Artigos e textos, Zuniversitas | 1 Comentário
Tags: , ,

A conclusão (destaque meu) deste artigo é óbvia. Mas a radiografia que o Professor Marlon Marcos faz é muito boa no decorrer do texto. Confiram !

Exclamacao


O mundo parou para o humano descer

A tragédia de existir em desalinho com a natureza, na promoção sanguinária de um sistema econômico que exclui a maioria dos que produzem pelo trabalho, que agride o planeta através do consumismo inveterado, e no galope de um progresso genocida, aciona as respostas naturais que levarão a humanidade à extinção. Eis o constante capitalismo nos tempos do coronavírus.

O medo da morte assola e a quebra das economias fará com que os mais pobres paguem bem caro o preço pela falta da lucratividade que a minoria extorque. O mundo está em crise e dizem que daqui para frente nunca mais seremos os mesmos. Tomara que esses processos transformativos nos levem de volta a saberes ancestrais, a tecnologias da terra dos povos primordiais que possam nos ensinar como existir em equilíbrio num instante coletivo planetário que só faz adoecer. Que os indígenas espalhem a possibilidade da cura a partir do testemunho vital da sua existência.

Que lideranças políticas como Jair Bolsonaro não tenham espaço para engendrar suas ações de morte, o descontrole, o estapafúrdio, a estupidez governamental que aniquila o discernimento administrativo. Para que haja vida, lideranças praticantes da necropolítica devem ser destituídas a favor do real sentido que nos leva a eleger os governos.

Entre o pânico e a dor, eu tenho que falar da minha comoção ao ver os pronunciamentos e as medidas estratégicas, contra esta pandemia, advindos do prefeito de Salvador, Antônio Carlos Magalhães Neto. Um herdeiro da chamada direita baiana, neto de uma tradição coronelística, tem dado exemplos ao mundo de como devem agir os sujeitos que representam o povo. ACM Neto está alinhado ideologicamente a Jair Bolsonaro, mas muito diferente deste que exemplifica a irresponsabilidade social e de governança, tem cumprido belamente a sua obrigação ultrapassando os limites de conceito, logrando assim um lugar de estadista.

Nesta terrível realidade, fomos obrigados à união pela desgraça. Temos hoje a indisfarçável cara da fragilidade humana e o meu amor por esta cidade, Salvador, por nosso povo preto e pobre que nos dá alma, eu clamo que fiquemos em casa (nós que temos casa e que podemos ficar nela) e que sejamos responsáveis pela vida de nós todos numa corrente de solidariedade concreta. Que o governador Rui Costa continue nessa atitude de priorizar vidas humanas acima da materialidade das suas obras.

É um tempo de barulhos e silêncios e nós brasileiros estamos mergulhados no pior da imundície desse sistema. À deriva de nos mesmos, tendo como principais condutoras a ignorância e a incompetência no homem que nunca poderia ter sido nosso presidente. Estagnado no movimento do tempo, de dentro de casa, eu grito para o mundo: fora Bolsonaro!

(MarloN marcos)

FONTE: Jornal A TARDE, Salvador-BA, 04.04.2020

A derrocada da Democracia

17/03/2020 às 2:50 | Publicado em Midiateca, Zuniversitas | Deixe um comentário
Tags: , , ,

É o fim da Democracia como os teóricos entendiam. Se isso aconteceu lá na Inglaterra e nos EUA, dá para imaginar o que ocorreu e ocorre aqui…


Caos, valores tratados como mimimi e diálogo inexistente – como o servidor público pode sobreviver a este governo?

22/11/2019 às 3:02 | Publicado em Artigos e textos, Zuniversitas | Deixe um comentário
Tags: ,

Esse vem do SINAL – Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central. Vale a reflexão sobre o momento de caos em que vivemos.


Caos, valores tratados como mimimi e diálogo inexistente – como o servidor público pode sobreviver a este governo?

Que o país está polarizado todos sabem. Isso não é de agora, mas se acentuou, e muito, após as eleições presidenciais. O problema é o que vem “de brinde” com este cenário: a falta de diálogo. De respeito. De conhecimento. De humildade.

Não há debate saudável. Não há debate. O achismo pessoal e extremamente superficial tomou conta das decisões neste momento

E o pior: isso não está restrito à população em geral. Virou política de governo -; certezas absolutas baseadas em pensamentos simplistas e o alijamento do conhecimento técnico

Caos.

O autoritarismo tomou conta de uma maneira simplista. O que antes era tido como valor – o diferente, o divergente – pois era um ponto de vista a mais para a construção de uma proposta, uma solução mais ampla e duradoura, hoje é renegado. Para além de renegado, antes mesmo da probabilidade do contraditório, o “contrário” já é abatido, deletado, apagado da participação.

Os valores que criam as bases para uma forma de funcionamento saudável nas instituições estão sendo todos devastados. Hoje tudo tem seu preço, mas perdeu-se completamente os valores.

Se tornaram mimimi.

O diálogo inexiste.

A própria Constituição está sendo rasgada pelo Supremo Tribunal Federal. A sensação para quem viveu a época da ditadura é que estamos em momento pior do que aqueles dos anos de chumbo. Lá ela era explícita. Aqui é uma pseudodemocracia.

Os “contrários”, extremamente enfraquecidos, como no caso dos sindicatos, têm espaço mínimo de ação. Parecem muito espertas e inteligentes as estratégias de “matar” o que é contrário. Desta maneira, a “minha ideia” prevalece. Simples, (ou simplório?).

Argumentos sem base, ou pior, com números forjados e/ou encomendados. Uma intenção clara de que a vontade prevaleça sobre até mesmo a razão e a verdade. Se “alguém” quer e acredita, não importam mais os dados. Os dados são fabricados para embasar os quereres.

Pratica-se à exaustão o “repetir sistematicamente uma mentira até que pareça verdade”.

Deputados e senadores completamente superficiais sem qualquer autocrítica se achando estratégicos. Incapazes de duvidar de si mesmos, das suas certezas absolutas.

Impossível acreditar que quem está decidindo hoje a vida dos trabalhadores brasileiros sabe o que está fazendo. Quando se olha para as contradições, vem a certeza: é claro que não sabem. Dizem que “não têm todas as respostas”. Mas mesmo assim avançam.

Não é sensacionalismo acreditar que o Brasil entrará em um colapso e terá de ser repensado, reconstruído.

O único alento é acreditar que depois desse caos, enfim o brasileiro tomará consciência política e administrativa, ainda que da pior maneira possível. A omissão não será mais opção. Todos estão sendo instados a se verem como responsáveis. A serem protagonistas deste tempo, de suas vidas, e não meros coadjuvantes passivos de uma situação dramática que lhes é imposta.

Neste momento, de total falta de diálogo, restam poucas opções: resignação ou enfrentamento.

Como tem sido veiculado pelas mídias, nós, do sindicato, estamos fazendo tudo o que é possível fazer sem a mobilização da base. Construindo emendas e buscando o apoio de deputados e senadores, atrás de interlocução, temos conseguido pequenas vitórias, que dentro deste contexto, comemoramos como sendo gigantescas.

Porém, o sindicato “de gabinete” tem limite de atuação.

Em um momento tão crítico e único da nossa história é preciso coragem e disposição para ações nunca realizadas antes.

Talvez seja um momento como muitos dizem de mudança de Era, de quebra de paradigmas. Para melhor, espera-se. Mas a pergunta é como será a próxima Era, se não tivermos um mínimo de valores como a verdade, o Respeito, o Reconhecimento do outro?

Por isso, fica o convite para uma reflexão: o que você pode fazer para que, juntos, tenhamos força para evitar e/ou reverter os danos causados ao Servidor Público e consequentemente à Sociedade Brasileira?

(Andréia Medeiros -Presidente do Conselho Regional – Seção Regional Brasília)

FONTE: http://blogsinalbrasilia.campanhasdemkt.net/ver_mensagem.php?id=H|1047|231135|133129734220720300

 

Próxima Página »

Blog no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: