O que é NFT [non-fungible tokens]?

27/07/2021 às 3:30 | Publicado em Artigos e textos, Zuniversitas | 2 Comentários
Tags: , , , ,

Calma, os que não são muito familiarizados com termos do “informatiquês” não se assustem. Fiz questão de fazer esse post porque nunca se sabe o que vai vingar nesse imenso e por vezes confuso mundo da tecnologia. A notícia original que li foi a de uma pessoa que queimou uma obra de Picasso e utilizou essa tecnologia para perpetuar o quadro. Doideira ? Acho que sim, mas tem gente usando isso hoje. Por trás da tecnologia milhões de dólares… Confiram.


O que é NFT [non-fungible tokens]?

Saiba o que é NFT, os ativos digitais intangíveis em formato de token não fungíveis que estão movimentando milhões na Internet

O noticiário em 2021 está bastante agitado, mas a venda de ativos NFT tem despertado o interesse de muita gente — não exatamente para comprá-los, mas para entendê-los. Criadores de memes, artistas digitais, músicos entre outras classes que navegam pela Internet já faturaram milhões com a venda de tokens não-fungíveis; saiba o que é NFT.

O que é NFT?

O NFT (Non-Fungible Tokens) é uma tecnologia de tokens não fungíveis. Se usarmos o significado de token como símbolo e aplicarmos o conceito de fungibilidade (um atributo de bens adquiridos que podem ser substituídos por outros similares), podemos entender o NFT como um bem diferenciado, contendo dados que os tornam únicos.

Intangíveis: a venta de ativos de tokens não-fungíveis na internet (Imagem: Cherry Laithang / Pexels)

Intangíveis: a venta de ativos de tokens não-fungíveis na internet (Imagem: Cherry Laithang / Pexels)

Ou seja, não fungíveis (não substituíveis).

Uma informação diferente gravada em cada ativo NFT o torna um produto diferente dos outros e é por isso que eles não podem ser substituídos. Eles não podem ser trocados por iguais, porque não há dois iguais. Basicamente, é como vemos uma obra de arte.

Sendo assim, um registro NFT transforma basicamente qualquer coisa do universo digital (uma música, uma arte gráfica ou até um tweet) em um ativo único, exclusivo e com autenticidade segura por uma rede blockchain imutável, como criptomoedas.

Falando em blockchain, o uso dessa tecnologia no registros dos ativos também torna os tokens NFT imutáveis. Se pensarmos fungível como algo que pode ser gasto ou consumido, contrapomos com o não-fungível o conceito de tokens também eternos.

O que o blockchain tem a ver com isso?

A tecnologia de blockchain é mais conhecida como sinônimo de serviços financeiros, mas você pode se surpreender ao descobrir que esse universo quase que totalmente fintech também abriu caminho também para uma nova indústria artística com tokens.

Blockchain é o futuro das transações seguras (Imagem: Pascal Bernardon / Unsplash)

Blockchain é o futuro das transações seguras (Imagem: Pascal Bernardon / Unsplash)

Já falamos sobre blockchain aqui no Tecnoblog, a tecnologia deu os seus primeiros passos junto com a criptomoeda, um sistema financeiro eletrônico peer-to-peer, o bitcoin. Ela foi criada para, entre outras coisas, prevenir o gasto duplo dos valores reais.

Num ambiente digital, dados podem ser copiados, alterados e trocados. O blockchain foi a solução para eliminar as duas primeiras características. Uma pessoa não pode gastar 1 BTC duas vezes ou dizer que enviou 10 BTC mas transferir apenas 0,01 BTC.

Mas, quem confere isso?

Bem, a tecnologia de blockchain pode ser explicada como um livro público (um livro contábil) que faz o registro das transações de moeda. Sendo o blockchain uma rede que funciona com blocos que sempre carregam uma impressão digital, o bloco seguinte também vai conter a impressão digital do anterior, mais o seu próprio conteúdo e, com essas duas informações, gerar sua própria impressão digital; conferível por todos.

A aplicação do NFT na arte leva o uso do blockchain muito além do normal, para moedas digitais. A lista dos usos possíveis da tecnologia é praticamente infinita.

Cryptokitties

NFT não nasceu ontem e já tem algum passado. Em dezembro de 2017, os gatinhos animados Cryptokitties da empresa canadense Dapper Labs estrearam como itens de coleção negociáveis, funcionando basicamente como cartas Pokémon da Era Bitcoin.

Cada imagem foi associada a uma sequência única de dígitos que poderia ser negociada na plataforma de blockchain da Ethereum como um título de propriedade — concedendo ao proprietário o direito objetivo de posse de um determinado gatinho.

Cryptokitties não foi exatamente uma febre, mas chegou viralizar entre os criptoiniciados e as transações relacionadas aos gatinhos foram responsáveis por agitar mais ou menos as transações de Ethereum. De lá para cá, mais itens ganharam tokens.

Arte e token

Artistas digitais — ou que digitalizam suas criações — historicamente enfrentam dificuldades quando se trata de proteger direitos autorais online. Usando tokens não fungíveis em parceria com contratos inteligentes, que permitem incluir atributos detalhados como identidade do proprietário, metadados e link seguro, fica mais fácil.

Sejamos sinceros, parece inacreditável: pagar pela propriedade simbólica de um conteúdo digital hospedado em algum lugar da internet vai de encontro ao modus operandi já conhecido em que se baixa absolutamente tudo com um clique, a custo zero.

Os evangelistas do NFT acreditam que a tecnologia pode resolver exatamente esse problema: a quase impossibilidade de monetizar obras de arte digitais, atribuindo um valor à arte digital, que até então não tinha reconhecimento nos leilões online.

Arte Digital (Imagem: Ivan Samkov / Pexels)

Arte Digital (Imagem: Ivan Samkov / Pexels)

Quem vende NFTs?

Citamos, também, alguns casos que se tornaram emblemáticos sobre a a agitação em torno dos TNFs. O youtuber americano Logan Paul criou uma arte dele mesmo segurando cartas de Pokémon e tokenizou. Aos compradores, determinou que um estoque de três mil unidades custava 1 ether (ETH) cada; faturou mais de US$ 5 milhões.

A cantora Grimes criou um conjunto de obras de arte digitais que foram a leilão e, entre algumas das peças únicas com token não fungível e outras com milhares de cópias disponíveis, a artista canadense vendeu cerca de US$ 6 milhões num único evento.

A banda Kings of Leon tornou-se a primeira banda a registrar um álbum em NFT. O mais recente álbum “When You See Yourself” sairá em todos os streamings de música tradicionais, mas também estará disponível como um NFT na plataforma YellowHeart.

O clássico meme “Deal With It” foi registrado como ativo digital e leiloado pela NFT Foundation. Com lances em ether. a peça foi vendida por 15 ETH, ou US$ 22 mil.

E se não bastasse, Jack Dorsey, cofundador e CEO do Twitter, tokenizou um tweet. O primeiro post do executivo está sendo leiloado com a oferta de até US$ 2,5 milhões.

Parece não haver limites para o que — mesmo intangível — pode ser vendido em NFT.

Quem compra NFTs?

Evidente que qualquer pessoa pode ver fotos de obras caras na internet; mas é a propriedade sobre elas que cria valor. Com NFTs, você não apenas tem a propriedade, com a tecnologia de blockchain você tem propriedade de forma pública e transparente.

Museu do Louvre lotado (Imagem: Jill Evans / Pexels)

Museu do Louvre lotado (Imagem: Jill Evans / Pexels)

Desde especuladores que compram os primeiros ativos NFT na esperança de valorizarem, até grandes proprietários de criptomoedas que querem “patrocinar a arte digital”, há todo tipo de gente interessada. E se antes as artes digitais recebiam críticas por serem simples ou sem apelo, a agitação pode trazer ao mercado novos nomes.

Como colecionadora de vinis que sou — daquelas que valoriza séries limitadas, numerados e bootlegs — lembro que a febre em torno dos ativos NFTs é acrescida de dois ingredientes importantes: é uma tecnologia nova e que também é colecionável.

Como uma tecnologia que ascendeu na nova década, naturalmente os ativos digitais exclusivos vão chamar a atenção das pessoas que já trafegam no meio. Outro ponto importante é o caráter colecionável desses ativos. Colecionadores como eu valorizam muito itens limitadíssimos e exclusivos e essa raridade toda desperta mais emoções.

(Melissa Cruz Cossetti)

FONTE: https://tecnoblog.net/419646/o-que-e-nft-non-fungible-tokens/

PANDEMIA: duas questões (!?)

06/07/2021 às 7:50 | Publicado em Midiateca | Deixe um comentário
Tags: , ,

Publico aqui hoje um vídeo que gravei no meu canal Youtube (Canal ZEducando) trazendo duas questões que julgo inusitadas e importantes sobre a atual pandemia.


Energia solar: conta de luz mais barata para todos

12/06/2021 às 3:37 | Publicado em Artigos e textos, Zuniversitas | Deixe um comentário
Tags: , , ,

Todas as vezes que leio algo assim eu me pergunto: por que razão num país eminentemente “solar” como o nosso não adotamos ainda a Energia Solar em massa ?

sol_aquecimento_global


Energia solar: conta de luz mais barata para todos

Um estudo recente dos governos brasileiro e alemão, com participação do Ministério de Minas e Energia (MME), Empresa de Pesquisa Energética (EPE) e Operador Nacional do Sistema (ONS), em parceria com a Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ), mostra que a maior presença das fontes renováveis na matriz elétrica nacional é ambientalmente desejável, tecnicamente sólida e economicamente viável.

A principal conclusão do estudo “Sistemas Energéticos do Futuro: Integrando Fontes Variáveis de Energia Renovável na Matriz Energética do Brasil”, fruto de três anos de intensos trabalhos técnicos, desbanca, na verdade, o velho mito de que o Brasil depende dessas termelétricas fósseis para dar suporte ao crescimento das renováveis. Pelo contrário: na realidade, aponta que o equilíbrio do sistema elétrico quando há variações nos ventos e no sol deve ser garantido em especial pelas hidrelétricas.

A grande contradição, porém, é a aposta nas termelétricas fósseis, sob o pretexto de economizar a água atualmente escassa dos reservatórios hidrelétricos. E quem paga a conta é o consumidor, por meio das bandeiras vermelhas na tarifa de energia, imposta pelo acionamento em massa dessas usinas caras e poluentes.

Fato é que o crescimento das fontes renováveis vai fortalecer a segurança de suprimento elétrico ao mesmo tempo em que reduzirá os custos com termelétricas fósseis no Brasil, caras e poluentes, além de ser ainda mais necessário no atual cenário de crise hídrica e de risco de racionamento de energia.

Além das grandes usinas renováveis, a produção própria de eletricidade a partir de sistemas solares em telhados e pequenos terrenos é parte importante da solução para a redução de gastos e custos do setor elétrico, bem como alivia a pressão sobre os reservatórios hidrelétricos e diminui consideravelmente possíveis racionamentos futuros.

A aprovação do Projeto de Lei (PL) 5.829/2019, que cria um marco legal para a geração própria de energia no Brasil, vai beneficiar todos os consumidores de energia elétrica e ajuda a reduzir vários custos da conta de luz que os brasileiros pagam sem saber, entre eles o uso de termelétricas fósseis e as perdas elétricas.

Com o marco legal, o setor solar pode trazer mais de R$ 139 bilhões em investimentos e gerar mais de um milhão de novos empregos ao país nos próximos anos. Desta forma, o avanço da energia solar no país, via leilões para grandes usinas ou pela geração própria em residências, pequenos negócios, propriedades rurais e prédios públicos, é fundamental para reduzir o chamado “custo Brasil”, com uma energia elétrica mais competitiva aos brasileiros, reduzindo a ocorrência das bandeiras vermelhas na conta de luz da população e diversificando o suprimento de energia elétrica do país.

(Rodrigo Sauaia e Ronaldo Koloszuk)

FONTE: JORNAL A TARDE, SALVADOR-BA, 08.06.2021

Jessé de Souza

29/01/2021 às 2:03 | Publicado em Midiateca, Zuniversitas | Deixe um comentário
Tags: ,

Mais um excelente vídeo do Professor Jessé de Souza, curto, objetivo e atual. Confiram !


Próxima Página »

Blog no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: