JG80 ou “O livro caindo na alma…”

16/08/2018 às 3:50 | Publicado em Artigos e textos, Zuniversitas | Deixe um comentário
Tags: , ,

Excelente crônica do arquiteto Lourenço Mueller. A lembrança de Castro Alves é sempre salutar.

Viva os livros !

livro1_thumb


JG80 ou “O livro caindo na alma…”

É gérmen – que faz a palma, é gota – que faz o mar” (Antônio de Castro Alves).

Vamos recolocar os livros na dimensão da importância que sempre tiveram em relação à formação dos homens, como um propósito. Analisem o simbolismo dos versos do gênio baiano para amplificar esse propósito naquela dimensão florestal e oceânica, ao mesmo tempo.

Não nos deixemos vencer pela moda passageira instituída pelos gigantes da informática interessados em espetacularizar a imagem, reduzir o valor da palavra para vender celulares e, afinal, mais do que aproximar, afastar as pessoas.

O que importa é a outorga de poder ao livro impresso, revitalizando esse herói da cultura que resiste a quase tudo. E é de quem os ama e promove (‘Bendito aquele que semeia…’) que vou falar agora, ao juntar o verso do bardo baiano ao octogésimo aniversário de Joaci Góes (dia 25), o melhor intérprete de Castro Alves que já vi declamar. Certa vez – o que quase me faz acreditar em espíritos – incorporou o brilho e o gênio do ‘poeta dos escravos’ no salão nobre da ‘Associação Comercial da Bahia, [em] que Castro Alves declamou pela última vez, a 10 de fevereiro de 1871, cinco meses antes de morrer’ (Góes, Joaci. “As 51 personalidades (mais) marcantes do Brasil”. RJ: Topbooks, 2014. Pág. 190): fascinou o plenário ao declamar de memória ‘O Navio Negreiro’ como se o tivesse composto, o rosto rubro, a voz embargada.

Deixo aos confrades das Academias a que Joaci pertence – nas homenagens que certamente se seguirão a esse artigo – a ilustração precisa de seus méritos e títulos políticos, intelectuais e empresariais, que bastariam para encher esta página. Dou o abraço natalício detendo-me: na palavra e nas letras, jotagê que é o seu exímio arauto; no ser humano que é, para a família e para os amigos; na relevância que tem para a coletividade pelo pensamento quase obsessivo sobre a importância da educação. O projeto que tem JG de transformação desse País através da educação e, claro, do seu mais intenso vetor, dá ensejo ao verso: “Livros não mudam o mundo. Quem muda o mundo são as pessoas. Os livros só mudam as pessoas” (Mario Quintana).

(Lourenço Mueller)

FONTE: Jornal A TARDE, Salvador-BA, 12.08.2018

Anúncios

PRIORIDADES

14/08/2018 às 3:32 | Publicado em Fotografias e desenhos, Zuniversitas | Deixe um comentário
Tags: ,

Esse vem do blog-irmão jlcarneiro. Para reflexão !


hilburn_priorities

MENINAS COM CIÊNCIA

13/08/2018 às 3:38 | Publicado em Artigos e textos, Zuniversitas | Deixe um comentário
Tags: , ,

Esse evento, infelizmente, é restrito à cidade de São Paulo, pois ocorrerá fisicamente na maior metrópole da América Latina. Mas como achei muito interessante, resolvi compartilhar aqui com todos. Sem ciência e tecnologia nenhum país se desenvolve.


MeninasComCiencia

Educação a distância e responsabilidade

27/07/2018 às 3:45 | Publicado em Artigos e textos, Zuniversitas | Deixe um comentário
Tags: ,

EAD só se for com muita responsabilidade. E não é o que estamos vendo com esse governo. Além desse bom artigo de Alírio de Souza, recomento também MAIS UM GOLPE CONTRA A EDUCAÇÃO.

educacao_thumb


Educação a distância e responsabilidade

Durante o programa de doutorado interessamo-nos pela educação a distância a partir do conhecimento do projeto da Universidade Aberta da Inglaterra, descrito no livro “The Open University Opens”. Foram oito anos entre a ideia inicial, num discurso de campanha política do primeiro-ministro Harold Wilson, e sua concretização. Um empreendimento sério, caríssimo, utilizando então a TV da BBC de Londres, a tecnologia naquele momento disponível. A Universidade Aberta da Inglaterra serviu de inspiração para vários outros projetos mundo afora, inclusive influenciando nosso Irdeb.

Atualmente o aperfeiçoamento dos satélites facilitou bastante a comunicação, favorecendo o surgimento de muitos programas de educação a distância, inclusive no Brasil. E neste momento é necessário lembrar a quem promove a educação a distância e também a quem a utiliza: responsabilidade!

A educação a distância e as demais modalidades da educação não formal sempre existiram, todavia sua massificação ocorreu com a Universidade Aberta, cujo objetivo primordial foi e ainda é educar adultos que não puderam frequentar a escola, principalmente a universidade, na idade apropriada, 18-24 anos de idade, segundo padrão de países desenvolvidos. E por que adultos? Porque a educação a distância requer autodisciplina, nem sempre presente em jovens. Casualmente ouvimos um diálogo entre dois jovens após conclusão do ensino médio. Um deles disse que optaria pela educação a distância “porque não precisava estudar”. Para muitos, estudar é ir para a escola.

Nossa preocupação é maior ainda com a ideia, que não achamos muito responsável, de oferecer-se parte do conteúdo do ensino de nível médio (40%?) a jovens entre 15 e 18 anos, na escola pública, via educação a distância. E na escola particular, a mesma coisa? Os países sérios estão fazendo isso? Sejamos responsáveis.

(Alírio de Souza)

FONTE: Jornal A TARDE, Salvador-BA, 25.07.2018

Próxima Página »

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: