GEE – Gás de Efeito Estufa

19/08/2021 às 2:43 | Publicado em Midiateca, Zuniversitas | Deixe um comentário
Tags: , ,

Parabéns a esse senhor. Um exemplo !


Energia solar: conta de luz mais barata para todos

12/06/2021 às 3:37 | Publicado em Artigos e textos, Zuniversitas | Deixe um comentário
Tags: , , ,

Todas as vezes que leio algo assim eu me pergunto: por que razão num país eminentemente “solar” como o nosso não adotamos ainda a Energia Solar em massa ?

sol_aquecimento_global


Energia solar: conta de luz mais barata para todos

Um estudo recente dos governos brasileiro e alemão, com participação do Ministério de Minas e Energia (MME), Empresa de Pesquisa Energética (EPE) e Operador Nacional do Sistema (ONS), em parceria com a Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ), mostra que a maior presença das fontes renováveis na matriz elétrica nacional é ambientalmente desejável, tecnicamente sólida e economicamente viável.

A principal conclusão do estudo “Sistemas Energéticos do Futuro: Integrando Fontes Variáveis de Energia Renovável na Matriz Energética do Brasil”, fruto de três anos de intensos trabalhos técnicos, desbanca, na verdade, o velho mito de que o Brasil depende dessas termelétricas fósseis para dar suporte ao crescimento das renováveis. Pelo contrário: na realidade, aponta que o equilíbrio do sistema elétrico quando há variações nos ventos e no sol deve ser garantido em especial pelas hidrelétricas.

A grande contradição, porém, é a aposta nas termelétricas fósseis, sob o pretexto de economizar a água atualmente escassa dos reservatórios hidrelétricos. E quem paga a conta é o consumidor, por meio das bandeiras vermelhas na tarifa de energia, imposta pelo acionamento em massa dessas usinas caras e poluentes.

Fato é que o crescimento das fontes renováveis vai fortalecer a segurança de suprimento elétrico ao mesmo tempo em que reduzirá os custos com termelétricas fósseis no Brasil, caras e poluentes, além de ser ainda mais necessário no atual cenário de crise hídrica e de risco de racionamento de energia.

Além das grandes usinas renováveis, a produção própria de eletricidade a partir de sistemas solares em telhados e pequenos terrenos é parte importante da solução para a redução de gastos e custos do setor elétrico, bem como alivia a pressão sobre os reservatórios hidrelétricos e diminui consideravelmente possíveis racionamentos futuros.

A aprovação do Projeto de Lei (PL) 5.829/2019, que cria um marco legal para a geração própria de energia no Brasil, vai beneficiar todos os consumidores de energia elétrica e ajuda a reduzir vários custos da conta de luz que os brasileiros pagam sem saber, entre eles o uso de termelétricas fósseis e as perdas elétricas.

Com o marco legal, o setor solar pode trazer mais de R$ 139 bilhões em investimentos e gerar mais de um milhão de novos empregos ao país nos próximos anos. Desta forma, o avanço da energia solar no país, via leilões para grandes usinas ou pela geração própria em residências, pequenos negócios, propriedades rurais e prédios públicos, é fundamental para reduzir o chamado “custo Brasil”, com uma energia elétrica mais competitiva aos brasileiros, reduzindo a ocorrência das bandeiras vermelhas na conta de luz da população e diversificando o suprimento de energia elétrica do país.

(Rodrigo Sauaia e Ronaldo Koloszuk)

FONTE: JORNAL A TARDE, SALVADOR-BA, 08.06.2021

Telha Solar

30/01/2020 às 6:35 | Publicado em Midiateca, Zuniversitas | Deixe um comentário
Tags: , ,

O absurdo nesse caso é se perguntar o porquê de isso ainda não ter sido massificado neste imenso país solar; e porque nenhum governo, até agora, resolveu o problema energético do país com a energia solar.

Reparem como é simples:

1 – A partir de certa data, quem construir qualquer edificação com teto solar terá redução progressiva de IPTU (ai se estuda qual o percentual progressivo do desconto, no mínimo 50%)

2 – A partir de certa data, quem produzir qualquer automóvel com teto solar terá redução progressiva de IPVA (ai idem se estuda qual o percentual progressivo do desconto, no mínimo 50%)

3 – Qualquer construtora ou montadora que utilizar energia solar em seus produtos receberá incentivo fiscal proporcional.


 

Bahia ganha usina solar flutuante no Rio São Francisco

19/04/2019 às 3:14 | Publicado em Artigos e textos, Zuniversitas | Deixe um comentário
Tags: ,

Mais uma solução interessante. Confiram !


Bahia ganha usina solar flutuante no Rio São Francisco

As águas do Rio São Francisco, agora, também abrigam uma Usina Solar Fotovoltaica Flutuante, que transforma a luz solar em energia elétrica. A planta piloto de painéis solares foi instalada pela Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf) no reservatório da Usina Hidrelétrica de Sobradinho, na Bahia.

Esse sistema de geração concentrada de energia fotovoltaica em usinas utilizando a área de reservatórios é pioneiro no Brasil. Até então, ele só havia sido instalado no solo. Segundo a Chesf, o objetivo é avaliar a viabilidade técnica, econômica e ambiental do projeto para que ele possa participar de leilões de venda de energia e ser reproduzido em outros reservatórios ou até mesmo em rios.

“Isso pode ser muito bem replicado em lugares onde o Brasil é rico em rios, na Amazônia e regiões do Centro-Oeste, por exemplo. Estamos criando uma oportunidade”, explicou o gerente de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação da Chesf, José Bione, contando que, quando o projeto estiver concluído, a usina flutuante terá capacidade de abastecer 20 mil casas populares.

A plataforma flutuante já instalada em Sobradinho tem 7,3 mil módulos de placas solares, área total de 10 mil metros quadrados e capacidade de gerar 1 megawatt-pico (MWp). Outros 4 MWp deverão ser instalados em 2019. Quando o projeto estiver concluído, com 5MWp, a usina flutuante deverá contar com 35 mil módulos e 50 mil metros quadrados de área sobre o reservatório de Sobradinho. O investimento total da Chesf é R$ 56 milhões.

Para comparação, o reservatório de Sobradinho tem uma superfície de espelho d’água de 4,2 mil quilômetros quadrados, com uma usina capaz de gerar 1,05 mil MW. Mas, atualmente, por causa da baixa vazão, a usina está gerando em torno de 180 MW.

Os técnicos envolvidos no projeto da Chesf vão estudar a eficiência da tecnologia fotovoltaica resfriada naturalmente pela água e pelo vento, já que as placas instaladas em terra perdem eficiência sob forte calor. Os impactos ambientais também são objetos de estudo.

Os estudos dos sistemas de ancoragem, conexão e conversão de energia também são pioneiros. A plataforma é fixada ao fundo do lago por cabos, com material próprio para suportar o peso das placas e dos trabalhadores que atuam na construção e manutenção, mas será preciso analisar seu comportamento em água corrente e com a movimentação da barragem.

Para entrar em funcionamento, ainda serão instalados contêineres de conversão da energia em corrente contínua, produzida pela plataforma, para energia em corrente alternada, própria para ser enviada às linhas de transmissão da usina hidrelétrica. De acordo com Bione, esta é outra vantagem da instalação de usinas fotovoltaicas nesses reservatórios, já que elas aproveitam as infraestruturas de transmissão, reduzindo, inclusive, as perdas de energias.

FONTE: https://www.nautica.com.br/bahia-ganha-usina-solar-flutuante-no-rio-sao-francisco/?doing_wp_cron=1553714623.8273749351501464843750&fbclid=IwAR18cCwR6ESPbyG9eiGzZZo9jgPcEgjiNZ6cilAu5CvJXe-agKfYdkW6cFM

« Página anteriorPróxima Página »

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: