Tadao Takahashi, duas homenagens

11/04/2022 às 2:45 | Publicado em Artigos e textos, Zuniversitas | Deixe um comentário
Tags: , ,

Falecido recentemente, ele é reconhecido como o “Pai da Internet no Brasil”. Publico aqui dois artigos do jornal A TARDE, Salvador-BA, que resgatam a vida e obra deste pioneiro !

image


O legado de Tadao Takahashi em destaque

Se hoje muitos de nós temos acesso à internet no Brasil devemos isso ao professor e pesquisador Tadao Takahashi, fundador da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) e um dos pioneiros da rede mundial de computadores no país.

Takahashi morreu no último dia 6, aos 71 anos, vítima de uma parada cardíaca. Ele foi o segundo brasileiro a fazer parte do Hall da Fama da Internet – prêmio que homenageia personalidades que contribuíram para a evolução da internet –, atrás do engenheiro eletricista Demi Getshcko.

Ele foi coordenador do Programa Sociedade da Informação do Ministério da Ciência e Tecnologia, iniciativa responsável pela formulação estratégica de ações para o desenvolvimento de novas aplicações, ampliação de acesso, meios de conectividade, formação de recursos humanos, comércio eletrônico, entre outros.

Ativo até o último momento de vida, o professor e pesquisador estava à frente do projeto i2030, criado em 2013 para pensar o que seria a Internet daqui a oito anos. Em 2018, quando concedeu uma entrevista à Abranet, falou sobre os prestadores de serviços de Internet e fez uma projeção para os próximos 20 anos da Rede Mundial.

“O mundo verá transformações radicais em que a raiz estará no uso da internet – serviços de mobilidade e logística com veículos autônomos; cidades como mega entidades ativas e responsivas; atividades e aplicações recheadas de inteligência artificial, com pouca ou nenhuma interferência humana etc”, afirmou, na ocasião.

Desafio

A formulação da RNP, cujo objetivo inicial era interligar dez universidades pelo Brasil, também teve a Bahia como protagonista ao lado de Tadao Takahashi.

Pelo menos dois nomes se destacam na montagem deste processo. Um deles é o da analista de tecnologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Claudete Alves. Para ela, Tadao tem uma “enorme importância” na formação da internet brasileira.

“Ele liderou um projeto criado pelo CNPq, mas que tinha a intenção de implantar a internet brasileira. Era uma espécie de embrião no qual a Bahia fez parte. Senão fosse por Tadao, dificilmente nós teríamos avançado tanto e implantado a internet no prazo em que foi feito”, explica.

“Ele tinha uma capacidade de trabalho imensa e uma criatividade (…) Ele conseguia distribuir tarefas, provocar, desafiar as equipes. Além disso, conseguiu mobilizar muita gente, de várias áreas do conhecimento, para a produção de um livro sobre a produção de conteúdo, de que forma e como seria usado”, completou Claudete.

Outro nome que viu de perto esse nascimento da internet foi o professor da UFBA Nelson Pretto. Para o especialista, Tadao Takahashi era um “gênio”.

“Era um gênio das articulações, das construções das políticas públicas. Ele conseguia, com o seu jeitinho engraçado, piadista, articular as diferenças. Com o esforço que ele fez, aliada à nossa colaboração, conseguimos articular, em uma única mesa, Governo do Estado, Prefeitura de Salvador, Fieb e UFBA, no sentido de fazer com que a internet fosse implantada no Brasil e na Bahia como uma política de estado e não de governo”, afirmou.

“Tivemos embates bastante duros, brigas sobre a condução dos processos, e ele conseguia levar, com muita tranquilidade,para que conseguíssemos dialogar. Terminou ficando praticamente um amigo. Não deixamos de nos falar desde então,nos anos 1990, com a implantação da internet”, completou.

“O trabalho de Tadao foi absolutamente central para realizar todas essas articulações. Ele vai fazer muita falta, porque não parava. Era um gênio com uma mente em ebulição. Pessoas como ele fazem falta”, finalizou Nelson Pretto.

(Yuri Abreu)

FONTE: JORNAL A TARDE, SALVADOR-BA, 08.04.2022


O pai/mãe da internet no Brasil

Estamos em 1994. Felippe Serpa, reitor da UFBA, me chama para sua assessoria para ajudar o antigo Centro de Processamento de Dados (CPD) na implantação de um negócio ainda pouco conhecido chamado Internet, assim, com um I maiúsculo imponente.

Logo de início, com a brava equipe do CPD, teríamos uma reunião com um japonês invocado, piadista, cheio de ideias. Era o tal Tadao Takahashi, que coordenava com mão de ferro a implantação da rede no país. Percebi de imediato que o cara era especial e, a partir daí, convivemos, mesmo à distância, até recentemente.

Ele nos deixou no último dia 6/4 e isso dá enorme tristeza. Figura inquieta e fundamental para a implantação da internet no país. Falava e articulava com todo mundo e fazia isso com maestria. É graças a essa sua habilidade, não tenho a menor dúvida, que a internet no país se constituiu efetivamente em uma Política de Estado.

Ele articulou as universidades públicas para a instalação dos chamados PoPs (pontos de presença da Internet), que passaram a atuar em conjunto com o Ministério da Ciência e Tecnologia, sob a sua batuta, na formação de pessoal, apoio financeiro e infraestrutura.

Montou-se, assim, o backbone da internet brasileira. Para viabilizar essa arquitetura, lá vinha o japonezinho engraçado fazer essa enorme articulação que colocava no mesmo barco governo do estado, prefeituras, empresários, telefônicas e universidades.

Uma verdadeira mágica com a varinha de Tadao. Ele e a internet no Brasil se confundem e, por isso, é urgente recuperar essa memória e dedicá-la a esse homem que rodou o país montando uma rede até bem pouco tempo inimaginável.

Tadao não parava.

Depois, montou o Programa Sociedade da Informação, no qual tive a honra de estar, com Leonardo Lazarte (UnB), coordenando o GT Educação.

Foi em seguida para o Conselho da Fundação Roquete Pinto e, mais adiante, nem sei mesmo de onde falava, aqui estava ele para me provocar em função de um tal programa CHIS, Cidades Humanas, Inteligentes e Sustentáveis.

Tive o privilégio de estar por perto e, nesse processo, muito debater com ele. Era um homem duro de queda, mas, ao mesmo tempo, um ser humano especial. Ele pensava em macropolíticas a partir de ações pequenas que viravam grandiosas.

Minha tristeza aumenta, pois muito insisti junto à RNP e ao CGI (Comitê Gestor da Internet), para que fossem produzidos “documentários distribuídos” (plural, sim!), para contar essa história que tinha em Tadao a irradiação vital.

Uma pena que até agora nada foi feito e perdemos a oportunidade de ter o seu belo registro, com seu olhinho apertado, mas que via para muito além.

Aqui na Bahia, resgatamos um pouco dessa história com o projeto memoriainternetbahia.ufba.br. Nele, merece destaque a sua fala.

(Nelson Pretto)

FONTE: JORNAL A TARDE, SALVADOR-BA, 08.04.2022

Metaverso ou Controverso?

21/02/2022 às 3:10 | Publicado em Artigos e textos, Zuniversitas | Deixe um comentário
Tags: , ,

Tema atual e instigante. Já estamos nesse “metaverso” faz algum tempo. Tem gente que, imerso nisso, nem percebe. Cuidado !

Exclamacao-removebg-preview


Metaverso ou Controverso?

Para quem julga ser o Metaverso uma realidade distante ou mais um game de ficção, está na hora de virar ao averso tal pensamento. Um exemplo para corroborar com esta afirmação é a compra de um terreno virtual próximo à residência NFT (código de autenticação virtual de originalidade) do rapper Snoop Dogg, no Metaverso. O “objeto” custou 340 mil libras esterlinas de um fã anônimo, segundo o jornal britânico The Independent. O novo vizinho pode agora se autointitular snooper, um morador do Snoopverse.

O mundo meta já é um fato e, segundo o relatório Into the Metaverse, encomendado pela agência global Wunderman Thompson, 52% das pessoas afirmam “de pender da tecnologia para serem felizes, para se sentirem bem”, enquanto quase 80% delas dizem que tanto a vida social quanto suas atividades diárias dependem da tecnologia para existir.

Uma definição simples do Metaverso seria um universo virtual que replica a realidade através de tecnologias digitais conhecidas, como a realidade virtual, aumentada ou digital twin, e outras tecnologias emergentes. Uma convergência entre os dois mundos, não uma dissociação, mas uma associação de hábitos, negócios, locais virtuais, lazer. No metaverso, seu eu digital ou avatar pode ser exatamente quem você é ou alguém completamente diferente em uma nova vida. “Esta realidade imersiva será ainda muito mais profunda do que vivenciamos hoje com as redes sociais”, explica Christiane Edington, uma das principais executivas de TI brasileiras e membro do conselho de administração de grandes corporações como Lojas Renner e JHSF.

Para o Facebook, o metaverso é a expressão máxima da tecnologia social e contribui para o bem-estar mental, mas haveria uma campanha antidigital sugerindo o contrário. A resposta veio no renomado Psychology Today, pela Dra. Phil Reed, PhD, professora de psicologia na Swansea University. “Estudos sugerem que o uso excessivo da tecnologia digital está associado a muitos problemas de saúde mental, como sintomas psicossomáticos, depressão e doenças mentais graves. Sobre esse esboço das evidências, a primeira coisa a se dizer é que tal interação virtual ajuda pessoas a lidar com situações de delírios e alucinações, demonstradas em ensaios clínicos controlados. Mas o metaverso não será assim e há sugestões factíveis de que a única ajuda que tais ambientes virtuais proporcionam é a sensação de escapismo, sem solução duradoura. Por outro lado, há evidências crescentes de uma associação entre o uso digital e problemas clínicos associados a delírios e alucinações”.

Entre controvérsias e fatos concretos, melhor começarmos a encarar o que virá, ainda que cheios de dúvidas imersivas, para já adjetivar em metaverso.

(Sandra Teschner)

FONTE: JORNAL A TARDE, SALVADOR-BA, 29.01.2022

LINGUAGEM CORPORAL

16/02/2022 às 3:09 | Publicado em Artigos e textos, Midiateca, Zuniversitas | Deixe um comentário
Tags: , ,

Ainda em setembro de 2020, portanto há quase um ano e meio, fiz um vídeo no meu Canal Youtube ( o ZEducando ) um tanto quanto contundente sobre Educação à Distância e Ensino Remoto de Emergência. O vídeo tem cerca de 8 minutos no total. Lá para o minuto 5 coloquei um questionamento que recebeu, como natural, apoios e críticas. O questionamento é bem simples: por que em muitas das lives, reuniões, etc, feitas de forma online com os diversos softwares muito difundidos em época de pandemia, a maioria das pessoas não mostra o rosto ? Eu coloco no vídeo que isso é um inteiro absurdo. Vou citar apenas uma crítica que um grande amigo, Professor de Direito da UNIFOR (Universidade de Fortaleza), me fez de forma inclusive muito educada, mas que para mim só serve para explicitar exceções que confirmam a minha regra do “absurdo”. Os exemplos (até óbvios) apresentados por ele, e que não há o que se discutir são:
1 – uma pessoa pobre que compartilha por exemplo uma casa de dois ou três cômodos com dez (ou até mais) pessoas não se sentiria bem em mostrar seu rosto e/ou seu ambiente, ou nem teria como;
2 – uma pessoa que estivesse usando uma rede com conexão fraca não poderia usar o recurso de vídeo exatamente por causa da largura de banda, porque sabemos que vídeos consomem muito recurso de rede;
3 – uma pessoa que estivesse doente (com problema de pele ou outro), não gostaria de mostrar o rosto num evento dessa natureza, mesmo porque, nesse caso, já estaria fazendo um sacrifício em participar.
Como disse, esses exemplos servem, pelo menos para mim, apenas para confirmar a regra, a regra do “absurdo”…
Confiram abaixo o que a Professora de Português, de Brasília-DF, Dad Squarisi, publicou no jornal CORREIOBRAZILIENSE recentemente (grifos meus !). O vídeo que eu fiz republico também na sequência deste post.
SER COERENTE É…

Harmonizar a linguagem do corpo com as palavras. Ao falar, a gente se comunica por inteiro. A expressão do corpo, do rosto, o olhar, a respiração, a voz, a maneira de vestir-se, tudo conta.

Segundo pesquisa da Universidade de Stanford, o corpo responde por 45% da mensagem; o tom de voz 20 %; as palavras, 35 %.

(Dad Squarisi, Correio Braziliense)


O FUTURO DA INTERNET: Web 3.0

31/01/2022 às 3:41 | Publicado em Artigos e textos, Zuniversitas | Deixe um comentário
Tags: , , ,

Esse artigo recebi de um grande amigo via e-mail. O tema é muito atual. Apesar de não ser muito simples, as explicações são didáticas. Confiram.

=========

O FUTURO DA INTERNET: Web 3.0


A Web 3.0 pode transformar a internet — e toda a sociedade

Existem duas teses circulando a respeito de como será o futuro da internet. Uma é o Metaverso. A outra, a Web 3.0. O Metaverso é fácil de explicar — Mark Zuckerberg, fundador e CEO do Facebook, vem batendo nesta tecla com firmeza há vários meses. É uma visão que junta o mundo digital no qual já estamos com realidade virtual. Quase ficção científica: podemos nos reunir com amigos a quilômetros de distância como se estivéssemos num só ambiente. Vemos as pessoas em três dimensões com óculos especiais. Este futuro, do ponto de vista tecnológico, está a no mínimo dez anos de distância, se não for mais. Com a Web 3.0 é diferente. Ela não é simples de explicar, mas boa parte da tecnologia para torna-la viável já existe. Se acontecer, e tudo indica que começará a acontecer brevemente, ela não muda só a internet. Muda a própria estrutura de como a sociedade se organiza. Transforma a economia e a política de formas potencialmente radicais. O que falta para ela não é ser inventada, isso já aconteceu. Falta ser simples para que todos a compreendam e saibam usar.

Como chegamos até aqui

Quem chegou à internet na última década do século 20 conheceu a Web 1.0. Foi ela que criou, em inúmeros pontos do mundo, uma quantidade imensa de pensadores otimistas com o potencial democrático da nova tecnologia. Aquela web inicial era descentralizada. Toda pessoa poderia ter um site, caso trabalhasse para isso. Todo mundo poderia conectar o próprio servidor à internet.

O que muita gente descobriu rápido é que estar na internet dava trabalho. Para manter de pé os negócios iniciais que nasceram ali era preciso manutenção constante de servidores, pesado investimento em segurança, contornar panes a toda hora. Era impossível, naquela web, publicar informação sem muito conhecimento técnico e algum investimento em dinheiro. Cada página tinha de ser escrita em código. Nada era simples.

A Web 2.0 nasceu para resolver todos os problemas que existiam na primeira versão.

As nuvens, por exemplo, atacaram a dificuldade com infraestrutura de hardware. Deixou de ser preciso manter os próprios servidores — basta contratar o serviço de uma nuvem e armazenar nelas seu conteúdo. A provedora de nuvem, uma empresa especializada, resolve quaisquer dificuldades técnicas que surjam.

A exigência do conhecimento técnico para cada pessoa publicar foi resolvida pelas plataformas. Primeiro vieram os blogs. Ninguém precisava mais escrever em código. Depois, quem queria publicar vídeos podia simplesmente abrir seu canal num YouTube. Por fim vieram as redes sociais.

Se os blogueiros, no período de transição da Web 1 para a 2, penavam para encontrar audiência, nas redes este problema foi resolvido. Sempre que uma rede juntava gente o bastante, os algoritmos de inteligência artificial se tornam capazes de achar o público que pode se interessar por aquele tipo de conteúdo. As plataformas trazem o público para quem deseja ser ouvido, assistido ou lido.

As plataformas e seus algoritmos resolveram, assim, dois problemas essenciais que a Web 1 apresentava.

Aquela internet inicial era tão complexa tecnicamente que só gente com conhecimento especializado e empresas conseguiam participar. A Web 2 é a rede na qual todo mundo constrói seu conteúdo, todos podem ter sua voz. Por conta disso, a Web 2 se tornou atraente o bastante para trazer as massas para o mundo digital.

Porque havia pouca gente, e porque era tão difícil publicar online, boa parte da década de 1990 se passou na busca por modelos de negócio que tornassem a internet viável economicamente. Mas os algoritmos da Web 2.0, por serem capazes de encontrar o público certo para cada um que participa, também têm a habilidade de achar os olhos ideais para qualquer peça publicitária. O problema do modelo de negócios desapareceu e, em seu lugar, ergueram-se corporações capazes de crescer em velocidade e escalas que o capitalismo jamais havia testemunhado.

Mas nada vem de graça.

O apelo democratizante da Web 1 se baseava no fato de que aquela rede trazia promessas por ser descentralizada. Cada um conectava seu servidor e disputava de igual para igual o público pela arte do convencimento. Como era difícil, poucos faziam.

No primeiro momento, as plataformas pareceram oferecer facilidades para quem tinha dificuldade técnica de publicar suas ideias. Não bastasse, facilitavam o acesso ao público. Mas, logo ficou claro, de democratizante havia muito pouco ali. Se a Web 1 era descentralizada, a Web 2 começou a centralizar a internet em um número limitado de plataformas. O público está não mais em qualquer lugar da grande rede, mas dentro das quatro paredes virtuais erguidas por um número pequeno de corporações.

No interior destas paredes, os algoritmos têm viés, incentivam um tipo de informação em detrimento doutra. De sérios problemas de autoimagem para adolescentes à manipulação do debate público que incentiva mentiras com consequências graves em troca de eleição, a tecnologia da Web 2 se mostrou uma ameaça à sociedade.

O modelo de negócios também se mostrou nocivo. Em essência, transforma a venda dos dados pessoais de cada pessoa na fonte de lucro. E quebra um equilíbrio necessário e fundamental para qualquer mercado. São as pessoas, e o que elas produzem, que dão valor às plataformas. Ninguém entra no Facebook ou no YouTube pelo que estas companhias pagam para produzir. Entra-se pelo conteúdo que amigos ou gente interessante apresenta, em muitos caos sem receber nada por isto. Estas mesmas empresas, por conta das consequências de como suas plataformas se estruturaram, ameaçam democracias.

Algumas das plataformas, como o YouTube, ainda distribuem parte de seus lucros a quem cria conteúdo. Outras, a maioria das redes, ou pouco ou nada distribuem. A concentração destas altas margens de lucro nas mãos das plataformas viabilizaram a criação dos maiores oligopólios da história do capitalismo.

Violam privacidade, ameaçam saúde e democracias, concentram lucros como jamais houve. É isto que a Web 3 ambiciona resolver.

Plataformas e protocolos

De cara, há um desafio técnico importante para enfrentar. Uma rede centralizada se baseia em plataformas. Uma descentralizada, em protocolos.

Protocolos são linguagens comuns que todos podem usar. O protocolo 4G, assim como o 5G, é composto por uma série de instruções técnicas sobre como cada aparelho celular precisa ser montado para que possa se conectar àquela rede de telefonia. Assim, Samsung, Apple ou Motorola podem fabricar aparelhos que sejam plenamente compatíveis entre si.

A internet é construída em cima de protocolos. O TCP/IP regula o tráfego dos dados e a comunicação entre cada servidor. O HTTP define como páginas da web encontram umas às outras através de links. E qualquer um pode construir equipamento que se integre à rede ou um software que apresente páginas nesta rede.

Uma plataforma é um ambiente fechado. O Facebook é uma plataforma, o YouTube outra, o Twitter uma terceira. WhatsApp. Instagram. TikTok. Sem a permissão do Facebook, uma empresa privada, ninguém constrói algo que se encaixe livremente em seu espaço. Vale para qualquer plataforma.

Há vantagens. Plataformas, por serem fechadas e privadas, podem evoluir rapidamente. Se os donos do Twitter desejam incluir uma função nova, o CEO manda, dois ou três programadores desenvolvem e logo está no ar. Plataformas se adaptam rápido e se sofisticam com frequência.

Com protocolos não funciona assim. Como são linguagens públicas, para que uma mudança tenha efeito é preciso que todos empenhados nela concordem e a implementem. A governança é complexa. Um novo protocolo para redes celulares demora dez anos para ser criado e posto no ar. Estamos ainda caminhando para a versão 2 do protocolo HTTP, da web.

A capacidade de mexer em protocolos, por ter de ser consensual para um número grande de jogadores, faz deles instrumentos muito lentos de inovação. Eles não têm a agilidade de plataformas.

O desafio da Web 3 é este. Como descentralizar novamente a internet, criando um ambiente no qual todos se encaixem com facilidade, mas sem perder a capacidade de contínua inovação que as plataformas da Web 2 trouxe.

Entra o blockchain

A bitcoin, a primeira criptomoeda lançada em 2009, apresentou ao mundo o que pode solucionar este dilema: o blockchain. Em uma das muitas definições que podem ser encontradas online, o blockchain é definido como “um sistema que permite rastrear o envio e recebimento de alguns tipos de informação pela internet”. Ou “pedaços de código gerados online que carregam informações conectadas – como blocos de dados que formam uma corrente – daí o nome.” Blocos de informação criptografados numa corrente.

Quem tem uma nota de dinheiro na mão e compra algo, entrega aquele papel. O dinheiro sai da carteira e entra na caixa registradora. Com o digital não é tão simples. O dinheiro digital não é físico, é um conjunto de bytes. Quem envia uma fotografia pelo WhatsApp para um amigo não deixa de ter aquela imagem — uma cópia é criada no celular de quem a recebeu. Para dinheiro, não funciona. O dinheiro precisa deixar de existir numa carteira para entrar na outra. É isto que o blockchain resolve. Em cada bitcoin há um blockchain que a identifica como uma moeda única e que carrega sua história, A cada nova transação, um elo novo de informação é incluído no blockchain — de que carteira saiu, em qual entrou, em que momento. E como esta informação é toda criptografada, o dono daquela moeda não tem como modificar esta informação, fraudar a história de cada movimentação.

É por isto que a bitcoin, como todas as outras moedas que utilizam a tecnologia blockchain, são chamadas de criptomoedas.

Este mundo financeiro do cripto se organizou ao longo da última década. Cada pessoa que tem criptomoedas precisa ter também pelo menos uma carteira digital. Ela pode ser custodiada por uma corretora online, como se fosse uma conta bancária, ou pode estar dentro do computador pessoal de seu dono — como a boa e velha carteira de couro que carregamos conosco. Mas cada moeda, mesmo digital, é única. Não pode estar em dois lugares ao mesmo tempo.

Nestas corretoras, as exchanges, diariamente negociações são conduzidas como num mercado. Nelas entram reais, dólares, euros para a compra de bitcoin, ethereum, solana, e incontáveis outras criptomoedas. É um mercado como qualquer outro, cuja integridade de cada moeda vendida é garantida pelo blockchain.

A questão, logo se percebeu, é que o blockchain pode ser usado para muito mais do que apenas moedas. Para um contrato, por exemplo. Como se garante um contrato digital que duas pessoas assinam? É preciso, em essência, ter certeza de que as duas pessoas concordaram com os termos e que estes termos não foram modificados. Um blockchain faz isso. Nele ficam criptografadas as duas assinaturas e a garantia de que os termos não foram tocados.

Vale para a escritura de um imóvel. Pertencia a Fulano, desde tal data é de Beltrano, e corresponde ao apartamento de tantos metros quadrados localizado num endereço dado. Também funciona para um acordo de casamento — estas duas pessoas, a partir de tal data, tomaram a decisão de compartilhar seguros de saúde mas preferiram manter suas contas correntes separadas. Pode garantir que a tora de uma árvore foi colhida em uma fazenda legal e não no miolo de uma reserva florestal. A fazenda tal tinha tantas árvores plantadas e registradas, cada uma com seu próprio código único, aquela árvore específica tinha um tamanho que lhe permitia um volume tal de madeira e esta mesa hoje vendida consumiu tantos por cento da tora original.

Nenhum papel foi produzido, nenhum carimbo martelado, nenhum selo destacado e colado. Todo o processo é digital e o blockchain traz em si a garantia de que o acordo existe, é imutável, é único.

Um contrato garantido por blockchain não é a mesma coisa que uma criptomoeda. Afinal, existem muitas bitcoins. Mas cada contrato é único. Estes contratos são chamados de NFT — um ‘token não fungível’ na sigla em inglês. Não fungível quer dizer, justamente, que ele é único.

Uma obra de arte digital é única se está atrelada a um NFT, o contrato que descreve suas características. NFT só pode haver um. O conceito de NFT, que hoje já estabeleceu um mercado de arte digital, serve para qualquer tipo de contrato.

Mas como pode, deste conceito do cripto, surgir uma alternativa para a Web 2?

A estrutura da Web 3.0

O login e a senha que utilizamos para entrar no Facebook, ou no Gmail, funcionam um pouco como nossa identidade na internet. Entramos em inúmeros sites com eles. O Face, como o Google, tem um banco de dados centralizado, que estas empresas controlam, onde estão as informações a nosso respeito. Quando usamos um dos dois para garantir nossa identidade e entrar numa loja virtual, muito da informação sobre o que fizemos naquele ambiente é compartilhada com estas empresas. São estes dados sobre nossos hábitos digitais que as tornam valiosas. Em essência, a informação que elas têm e ninguém mais a respeito de uma parcela imensa da humanidade é o que as transformam em gigantescas corporações como nunca antes vistas.

Mas a identidade pode ser também garantida por um NFT. Um NFT emitido pelo governo de um país, ou por uma corretora de criptomoedas, carrega em si, no blockchain, o que torna aquela identidade única. Não há um banco de dados centralizado. Num mundo cripto, o documento de identidade digital de uma pessoa pode estar em seu computador, no seu celular, num chip, numa corretora. É a pessoa, a portadora daquela identidade, que escolhe. A identidade não estará no banco de dados de uma empresa gigantesca que controla as informações atreladas àquela pessoa.

Esta é uma mudança conceitual forte pois permite a criação daquilo que no mundo cripto chamam DAO — organizações autônomas descentralizadas, na sigla em inglês. É uma organização composta por pessoas que se juntam com algum propósito e aderem a um acordo coletivo registrado, claro, num blockchain.

Os membros desta organização não precisam, necessariamente, ter todos o mesmo poder de influenciar nas decisões. Basta que se crie um mercado interno. Quanto mais alguém contribui para o valor da organização, mais ganha tokens. Como se cada DAO tivesse sua própria criptomoeda. E tokens, esta moeda, podem ser gastos para votar a favor ou contra mudanças internas.

Um Instagram, na Web 3.0, jamais seria uma plataforma fechada. Seria uma DAO, uma organização descentralizada. O like que uma foto recebe é um token, uma criptomoeda devidamente armazenada na carteira digital. E não há motivo para que esta ‘moeda’ não seja negociada num mercado aberto em troca de outras criptomoedas. O valor de um like dum Instagram-DAO flutuaria naturalmente em valor, de acordo com a percepção coletiva da importância do que é produzido ali.

Mas não precisa ser um Instagram. Uma DAO pode ser uma empresa de software em que o percentual de trabalho de cada programador no produto final seja devidamente registrado e a cada vez que alguém compre o direito de uso do programa o valor seja redistribuído de acordo com os termos estabelecidos pela organização.

DAOs muito populares, que produzam qualquer coisa que seja percebida como valiosa por muita gente, distribuirão para seus membros estes tokens, estas criptomoedas, que representam valor real em dinheiro.

Partidos políticos, ONGs, empresas privadas, clubes de livro, em essência qualquer agrupamento humano pode se organizar coletivamente na forma de uma DAO. E os termos de cada contrato não precisam necessariamente passar pela remuneração financeira. Podem, mas não precisam. Os estatutos de ONG podem estabelecer que o trabalho não é remunerado, é sempre voluntário. A identidade nacional de qualquer cidadão, por exemplo, pode garantir para ele o direito ao voto a partir de uma idade e o contrato, a Constituição ancorada num blockchain daquela nação, determina que este direito não é negociável. O cidadão nunca perde seu direito de votar e seu voto nunca vale mais do que o de qualquer outro cidadão.

Em teoria, democracias inteiras podem se organizar porque, ao menos tecnicamente, será possível promover eleições e consultas com muita facilidade, a baixo custo, e com integridade garantida. Democracias diretas, onde todas as decisões emanam do voto, tendem a se tornar ditaduras da maioria sem garantias para minorias. Mas isto não quer dizer que eleições ou consultas não possam ser mais frequentes, que a estrutura de Parlamentos não possa ser modificada, as possibilidades são muitas.

O blockchain muda a maneira como se organiza tanto o mundo virtual quanto o físico. Esta é uma característica fundamental da Web 3.0. Ela é uma internet com o potencial de alterar a economia, a política e, por fim, toda a sociedade. Por ser descentralizada, distribui o poder que hoje as grandes corporações digitais mantém pelo controle de plataformas.

É enfim a democracia digital?

A tecnologia por trás da Web 3.0 já existe — ela só é difícil. Difícil de implementar tecnicamente e difícil de explicar, conceitualmente. Mas criptomoedas já estão na publicidade da TV e começam a se tornar populares entre investidores. E um mercado de arte digital baseado em NFTs já se formou, embora seja pequeno. É o início da popularização do conceito. Como tudo na história do digital, primeiro vêm os pioneiros, depois vira aquele tema sobre o qual todo mundo fala mas pouca gente experimentou e aí, enfim, chegam as massas. Estamos na segunda fase.

Há, porém, um debate intenso ocorrendo. No último mês, Jack Dorsey, fundador e há até pouco tempo CEO do Twitter entrou num debate público virulento com Marc Andreessen, sócio do fundo da Andreessen Horowitz, um dos principais investidores em novas companhias do Vale do Silício. As emoções ferveram e o Vale se dividiu.

São, ambos, estrelas de gerações distintas da internet. Quando estudante, Marc Andreessen escreveu o código do primeiro browser gráfico, o Mosaic, e depois fundou a primeira startup gigante da Web 1.0, a Netscape. Foi o primeiro bilionário da era da internet. Dorsey é criador de uma das principais marcas da Web 2.0, o Twitter, e é também fundador e CEO da Block, uma das maiores empresas americanas de pagamentos digitais.

Dorsey acusa de hipocrisia os proponentes da Web 3. Argumenta que, embora muito distinta da Web 2, é uma ilusão dizer que ela seja mais democrática. O poder, ele argumenta, estará nas mãos de quem controla as corretoras de criptomoedas e que os sistemas que interpretam o blockchain serão também poucos. Se este futuro se concretizar, haverá uma infraestrutura central que todos terão de utilizar. Quem controlar esta infraestrutura central poderá até ser menos visível do que os controladores das grandes plataformas, hoje. Mas o poder estará nas mãos destes.

Andreessen e seu sócio, Ben Horowitz, evidentemente discordam. Estão investindo pesado no setor e, ora, apontam que Dorsey mantém suas fichas no modelo atual. A Web 3 ameaça seus negócios.

Ambos têm razão.

A Web 3.0 é uma ideia, um conceito, a imaginação de como a internet pode vir a ser muito diferente de como se apresenta hoje. Não é certo que será assim. Mas, no momento, é o caminho que o futuro parece estar seguindo.

(Por Pedro Doria, para Canal Meio canalmeio.com.br)

FONTE: https://doomar.blogspot.com/2022/01/o-futuro-da-internet-web-30.html

Próxima Página »

Blog no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: