Clickbait, o clique isca

01/02/2019 às 3:30 | Publicado em Artigos e textos, Fotografias e desenhos, Zuniversitas | 1 Comentário
Tags: ,

Esse vem do site jlcarneiro.com. Como ele diz, é mesmo desalentador ver até a grande mídia usando desses artifícios.


clickbait

Anúncios

Lúcifer curtiu Jennifer no Tinder

21/01/2019 às 3:26 | Publicado em Artigos e textos | 1 Comentário
Tags: , ,

Está faltando pouco, mas muito pouco mesmo, para eu seguir os passos de Jânio Ferreira: zero confrarias-redes digitais, uma rede física na varanda apreciando o luar, na companhia de pássaros e livros. Um dia vou ficar apenas com este blog e o email que é carta, apenas eletrônica. Muita gente esqueceu isso: os que nunca usavam ou usavam muito pouco os Correios continuaram no mesmo “ritmo” na nova era da grande rede, muitos dos que ainda usavam email até pouco tempo, hoje não mais usam. Ou será que os 140 caracteres do twitter, as imagens do instagram, as postagens normalmente furtivas e pequenas do facebook, e os textos ainda menores do zapzap podem ser considerados cartas ?

RedeVaranda


Lúcifer curtiu Jennifer no Tinder     janio

Continuo seguindo a máxima do comediante Grouxo Marx, que dizia não participar de clubes que o aceitavam como sócio. Portanto, sigo recusando convites para fazer parte dessas confrarias digitais, até porque meu celular é valvulado. Além disso, não resistiria um minuto sequer em bagunçar essas convenções que balizam as redes, tipo dar bom dia antes de entrar num assunto qualquer, ou — santa falsidade, Batman! – iludir pessoas fisicamente desarmoniosas com elogios não condizentes com suas estampas, induzindo-as a se acharem algo que só por um milagre serão.

A propósito, dois assuntos chamaram minha atenção por esses dias. Um é o lançamento do livro ‘Dez Argumentos Para Você Deletar Agora Suas Redes Sociais”, escrito pelo americano Jaron Lanier, onde ele cita algumas obviedades que só reforçam o que penso, a exemplo de: 1) Você está perdendo o livre-arbítrio; 2) As redes deixam você infeliz; 3) Largá-las é a melhor maneira de resistir à insanidade dos nossos tempos; 4) Elas tornam a política impossível; 5) Modificam as verdades; e, a que resume tudo: 6) As redes estão transformando você num babaca.

Observe que tudo o que é citado acima é a mais pura verdade, embora, aqui pra nós, isso tenha o mesmo efeito daqueles conselhos que se dá a um viciado em nicotina, ou seja, entra por um ouvido (ou por um pulmão, tanto faz) e sai pelo outro. Talvez por isso – e aí já embarco no segundo assunto — o patriarca Kirill, líder da Igreja Ortodoxa Russa, pegou pesado na semana passada, alertando seus fiéis seguidores (ops!) que essa dependência tecnológica – acompanhada dos dados que uma minoria detém de milhões de usuários =, poderá abrir uma janela para a chegada do Demônio à Terra. “O Anticristo é a pessoa que estará à frente da Internet controlando toda a humanidade”, afirmou o eclesiástico.

Cá do meu canto discordo do patriarcal, não pela declaração em si, mas pelo uso do verbo no futuro do presente. Não, meu caro Kirill, O Anjo Decaído não “estará” comandando a Internet daqui a algum tempo. O velho cramulhão já é, sim, o maior Youtuber do planeta e, juntamente com seus capetas emblogueirados, anda incitando a discórdia entre amigos, parentes e agregados, além de inspirar verdadeiras pérolas musicais, como é o caso de Jeniffer, que, não tenho a menor dúvida, foi marcada por Belzebu no Tinder no exato instante em que sua mãe, diante de uma assustada escriva, disse a fatídica frase que há dias me acompanha aonde quer que eu vá: “o nome dela é Jennifer”, complementando em seguida: “com dois enes, por favor, que é pra combinar com suas irmãs Sherlaynne e Evelinn”.

Só me resta comprar uma pistola, subir numa goiabeira com a Bíblia e cantar: “Na casa de Damares não existe Satanás; xô Satanás, xô Satanás!”.

(Jânio Ferreira Soares)

FONTE: Jornal A TARDE, Salvador-BA, 19.01.2019

Inteligência artificial vira “professor particular” e ajuda estudantes

08/12/2018 às 3:29 | Publicado em Artigos e textos, Zuniversitas | Deixe um comentário
Tags: , ,

Eis um grande desafio para o Professor nos dias de hoje. E para os de Escolas Públicas maior ainda.


Inteligência artificial vira “professor particular” e ajuda estudantes

image

O profissional autônomo Kennedy Sophia Junior, 33 anos, é pós-graduado em três cursos presenciais, mas curte mesmo o professor do seu novo curso à distância. O mestre se chama Paul e não trata-se de um estrangeiro morando em São Paulo. Na verdade, nem gente o professor é.

Turbinado pela plataforma Watson da IBM, Paul é uma inteligência artificial que cumpre o papel de um professor 24 horas por dia, respondendo às dúvidas dos alunos e identificando a melhor forma de aprendizado com base na personalidade de cada um – uma onda já encontrada em algumas escolas do Brasil.

Relatórios sobre alunos

O Paul gera três relatórios sobre o aluno: traços de personalidade, que consideram introversão e extroversão, por exemplo; melhor método de aprendizagem; e grau de conhecimento sobre o tema, que pode ajudar a pular algumas etapas — algo que não é possível em uma sala de aula.

Após mapear o perfil do aluno, o professor sugere métodos de aprendizagem em vídeos, textos, infográficos ou outros aspectos que possam ajudá-lo a captar mais informações. “Criamos um algoritmo próprio que identifica a melhor forma de aprendizado de acordo com o perfil da pessoa”, explica Adriano Mussa, diretor acadêmico e de inteligência artificial na escola de negócios Saint Paul, casa do professor Paul.

Caso a inteligência artificial não consiga solucionar a dúvida no momento, um professor é notificado para que a ferramenta seja “atualizada”.

“A grande diferença é que o Paul usa computação cognitiva, não é chatbot e nem pesquisa de informações, como os auxiliares de smartphones, Siri ou Google Assistante”, afirma o diretor de tecnologia da Stefanini Scala, Filipe Cotait.

Se o curso tem matemática financeira e o aluno já estudou ou já trabalha com isso, o Paul orienta que ele avance o tema. No entanto, todo o conteúdo programático será avaliado. “A primeira reação dos professores foi de medo e desconfiança. No entanto, hoje temos um grupo que não têm outra função que não seja treinar o Paul”, afirma Mussa.

Professor continua no processo

A escola garante que o Paul não trouxe “clima de competição” aos professores. “Eles têm uma nova atribuição, que é ensinar a inteligência artificial. Há questões novas o tempo inteiro, novas dúvidas que precisam ser respondidas. O professor não só ensina, mas estuda continuamente e por isso o Paul precisa se transformar sempre”, explica.

O primeiro curso a ter contato com o Paul foi Contabilidade, seguido de Inovação e Criatividade. Nesse momento, os alunos de Administração e Demonstrativos Financeiros começam a conhecer a novidade. Com isso, é esperado que mais de 20 mil alunos sejam atendidos. A meta da escola é estender para mais de 100 cursos em três anos.

“A tecnologia tem mais sucesso quando empodera o professor para fazer as mesmas coisas, mas de forma mais eficiente”, diz Claudio Sassaki, cofundador da Geekie, plataforma de inteligência artificial voltada para a educação.

Horizonte é promissor

A inteligência artificial tem revolucionado diversos setores, incluindo a educação, justamente por decifrar processos, muitas vezes, imperceptíveis sob a perspectiva humana. “A grande oportunidade é poder cruzar dados diversos e criar conclusões assertivas”, afirma o consultor de tecnologia e inovação do sistema de ensino Poliedro, Massayuki Yamamoto.

Ele explica que, no passado, as escolas se preocupavam em ensinar conteúdos para o aluno. Hoje, as informações estão disponíveis na internet, até mais atualizadas. “O papel do professor é ensinar ao aluno como aprender. Sala de aula invertida é fazer com que o aluno comece a buscar o aprendizado”, acrescenta.

Por meio da computação cognitiva, o professor consegue identificar não só que o aluno não acertou uma questão, mas a razão do erro, e sugerir soluções. “Dá informações sobre o que o estudante pensa e como orientá-lo melhor na jornada do aprendizado”, afirma o especialista do Poliedro.

Ajuda com o Enem

A Geekie colocou no mercado duas plataformas com inteligência artificial: uma para alunos que queiram se preparar para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e outra para as escolas.

A primeira identifica o perfil do estudante, conteúdo a ser aprendido e disponibilidade de horários para traçar um cronograma de estudos personalizado. A segunda visa a automatizar o trabalho de professores, em substituição ao material didático tradicional.

“O professor manda uma tarefa via plataforma, o aluno responde e automaticamente já é possível identificar o que ele aprendeu ou não. Eu crio um plano de reforço personalizado, com base no que ele precisa aprender. Não é necessário esperar uma prova para testar os conhecimentos”, explica Sassaki.

Para medir a eficácia, eles compararam o desempenho de um grupo de alunos que estudava em métodos tradicionais e outro que tinha acesso a conteúdo e metodologia personalizada pela plataforma. “O ganho de eficiência foi cinco vezes maior do que com plano de estudo genérico para todos”, afirma.

Robô ensina crianças a falarem inglês

Na rede de ensino de idiomas Minds, Vicente Queiroz, franqueado de Fortaleza (CE) desenvolveu um robô do tamanho médio de uma criança de seis anos, que fala inglês, anda e conversa com os alunos – tudo turbinado por inteligência artificial.

O empresário estudou engenharia e conseguiu colocar o diploma em prática dando vida ao robô, batizado de Bloog. “Apoiamos com um aporte financeiro e o protótipo foi criado. Ainda não conseguimos colocar o androide em todas as mais de 500 salas da categoria Kids, que temos na rede, porque ele está sendo aprimorado”, explica a executiva-chefe da Minds, Leiza Oliveira.

“A criação foi colocada em teste na unidade do Ceará e os rendimentos dos alunos aumentaram em 35%. Muitos conseguiram mudar mais rápido de nível no curso. O robô ajuda os professores a coordenar a sala e até aconselhar a turma a ficar em silêncio nos momentos importantes”, explica.

Chegar na escola pública é desafio

Ainda presente majoritariamente em escolas particulares, o grande desafio da inteligência artificial no Brasil, na visão do executivo, é alcançar o aluno da rede pública. “O mecanismo para escolas públicas comprarem material didático é um limitador para inovação e soluções tecnológicas”, Sassaki.

Além disso, há questões mais básicas que também precisam ser resolvidas. Na visão do gerente de pesquisa e consultoria de consumer devices da IDC Brasil, Reinaldo Sakis, as escolas brasileiras precisam recuar algumas casas no tabuleiro antes de testemunhar a

inteligência artificial se tornar um professor integral.

“Para ter acesso, precisa ter um meio. Ainda há muitas escolas sem o computador adequado que dê acesso a isso e, quando têm, falta a banda larga”, diz.

FONTE: https://noticias.bol.uol.com.br/ultimas-noticias/tecnologia/2018/06/19/plantao-de-duvidas-inteligencia-artificial-vira-aliada-de-estudantes.htm

7 MANEIRAS DE GANHAR DINHEIRO SEM SAIR DE CASA PELA INTERNET E TER O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO

07/12/2018 às 3:04 | Publicado em Midiateca | 1 Comentário
Tags: ,

Ótimas dicas para trabalho usando a grande rede!


Próxima Página »

Blog no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: