Árvore mostra como todas as línguas estão conectadas

25/10/2017 às 3:33 | Publicado em Artigos e textos, Zuniversitas | Deixe um comentário
Tags: , , ,

Muito interessante esse trabalho: as línguas e suas famílias.


Esta incrível árvore mostra como todas as línguas estão conectadas e mudará a forma como você vê o mundo

Você sabia que a maioria das diferentes línguas faladas no mundo todo tem origem em apenas um de dois grandes grupos?

Essa (e outras curiosidades) é o que a ilustradora Minna Sundberg tentou capturar em um infográfico incrível que revela as conexões fascinantes entre diversas línguas.

Usando os dados de pesquisa do portal Ethnologue, que possui informações sobre mais de 7 mil línguas usadas no globo inteiro, Minna usou a metáfora de uma árvore para ilustrar como todos esses idiomas – mesmo que pareçam não relacionados à primeira vista – podem ser agrupados em “famílias” por vezes inusitadas.

Árvore linguística incrível, mas não completa

No infográfico, os galhos maiores representam línguas com mais falantes nativos. Minna procurou incluir o maior número de línguas possíveis, mas mesmo esta imagem detalhada não abrange a imensa variedade que existe no mundo.

A artista explicou que a maioria das pequenas línguas não entrou no gráfico, especialmente as pouco faladas que não têm status oficial em algum lugar.

De onde vêm o português?

Os dois grandes troncos linguísticos são o indo-europeu e o urálico. O tronco indo-europeu possui um ramo europeu, que por sua vez se divide em outros três: eslavo, românico e germânico.

As línguas românicas possuem esse nome por terem surgido do latim, usado principalmente pelos povos romanos desde antes de Cristo. Atualmente, o latim é considerado uma língua morta e utilizado somente para nomenclatura científica e terminologias de outras áreas do conhecimento.

Entre as línguas românicas mais conhecidas estão o português, espanhol, francês, italiano e galego. Mas mesmo esses idiomas podem ser divididos em subgrupos. O português, o espanhol e o galego, por exemplo, são línguas ibero-românicas, enquanto o italiano é ítalo-dalmático, e o francês galo-ibérico.

Existem muitas outras línguas românicas menores, algumas usadas apenas por pequenos povos, como o sardo, o catalão e o rético.

Ramo europeu

No ramo europeu, uma relação bastante complicada entre as línguas eslavas é visível:

Ramo germânico

O inglês possui raízes germânicas, como o alemão:

Família urálica

Surpreendentemente, ao contrário dos seus vizinhos escandinavos, a língua finlandesa pertence à família urálica:

Ramo indo-iraniano

O ramo indo-iraniano revela as conexões entre hindus e urdus, bem como algumas línguas indianas regionais, como a língua rajastani: [BoredPanda, BastosMaia]

(NATASHA ROMANZOTI)

FONTE: https://hypescience.com/esta-incrivel-arvore-mostra-como-todas-as-linguas-do-mundo-estao-conectadas/

Anúncios

Preciosidades de Pessoa

09/10/2017 às 3:16 | Publicado em Artigos e textos | Deixe um comentário
Tags: , ,

Pessoa nos ensinando por intermédio do Professor Pasquale Cipro Neto.

pessoa-620x400_thumb


Preciosidades de Pessoa

O texto de Pessoa é mais uma demonstração de que é possível inverter o velho ditado (“A arte imita a vida”)

EM SEU RECÉM-CONCLUÍDO vestibular, a Unesp incluiu a profunda e intemporal “Crônica da Vida que Passa” (de Fernando Pessoa), que assim começa:
“Às vezes, quando penso nos homens célebres, sinto por eles toda a tristeza da celebridade. A celebridade é um plebeísmo.
Por isso deve ferir uma alma delicada. É um plebeísmo porque estar em evidência, ser olhado por todos inflige a uma criatura delicada uma sensação de parentesco exterior com as criaturas que armam escândalo nas ruas, que gesticulam e falam alto nas praças. O homem que se torna célebre fica sem vida íntima: tornam-se de vidro as paredes da sua vida doméstica; é sempre como se fosse excessivo o seu traje; e aquelas suas mínimas ações -ridiculamente humanas às vezes- que ele quereria invisíveis, côa-as a lente da celebridade para espetaculosas pequenezes, com cuja evidência a sua alma se estraga ou se enfastia. É preciso ser muito grosseiro para se poder ser célebre à vontade”.
Pessoa escreveu isso num tempo em que não havia a grande “média”, como dizem os portugueses (nós dizemos “mídia”, forma baseada na pronúncia inglesa -é bom lembrar que a palavra vem do latim). Quando fala das “criaturas que armam escândalo nas ruas, que gesticulam e falam alto nas praças”, Pessoa parece antever o que hoje ocorre com os pobres de espírito que falam alto ao celular em qualquer canto (“tornam-se de vidro as paredes de sua vida doméstica”, diz o grande Pessoa). Imagine se ele vivesse sob os zurros dos “big brothers” da vida…
O texto de Pessoa é mais uma demonstração de que é possível inverter o ditado (“A arte imita a vida”). Às vezes é a vida que imita a arte.
Posto isso, assentemo-nos ao rés-do-chão, ou seja, falemos de alguns dos interessantes tópicos lingüísticos presentes no excerto de Pessoa. Um deles diz respeito à palavra “pequenezes” (“espetaculosas pequenezes”). “Pequenezes” é o plural de… De “pequenez” (“qualidade de pequeno”). Se nos valermos do próprio Pessoa (“Tudo vale a pena se a alma não é pequena”), poderemos, numa livre adaptação, dizer que tudo vale a pena, quando a pequenez da alma não prevalece. É claro que não se pode confundir “pequenez” com “pequinês”, que se refere à cidade de Pequim (os cães pequineses são pequineses porque vêm de Pequim).
Pois o plural de “pequenez” remete-nos ao de “gravidez”, que os leitores sempre perguntam. O plural de “gravidez” é como o de qualquer palavra terminada em “z”, como “luz”, “raiz”, “juiz”, “meretriz”, “giz” etc., isto é, é feito com o acréscimo de “es” (luzes, raízes, juízes, meretrizes, gizes). Moral da história: “Suas três gravidezes foram bem difíceis”.
Outra passagem que merece destaque é “quereria” (“que ele quereria invisíveis”). Trata-se da terceira do singular do futuro do pretérito de “querer”. Na linguagem oral, essa forma apresenta baixa incidência (costuma ser substituída por “queria”, do pretérito imperfeito -esse processo é mais do que legítimo nas variedades não-formais da língua).
Na escrita formal e na literária, o uso de “quereria” não é raro (“Assim eu quereria o meu último poema / Que fosse terno dizendo as coisas mais simples e menos intencionais…”, escreveu Bandeira). É isso.

(Pasquale Cipro Neto)

FONTE: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff2012200704.htm

Língua Brasil

12/08/2017 às 3:50 | Publicado em Artigos e textos, Zuniversitas | 1 Comentário
Tags: , ,

Esse vem do “sítio” Língua Brasil (Nº 292, 2ª Edição). Sou assinante do maillist deles, recomendo fortemente !


image

19/07/2017

PONTUAR E TAUTOLOGIA, S.M.J.

Refiro-me hoje ao verbo pontuar, que entendo estar sendo mal e excessivamente usado como simples sinônimo de “enfatizar, destacar, realçar, frisar, salientar, ressaltar”. Fica muito mais elegante e correto usar um desses verbos do que “pontuar”, em frases assim:

Bonavides pontuava que a concepção política da Idade Média e da Reforma girava em torno do Poder Constituinte de Deus (omni potestas a Deo).

O verbo pontuar significa originalmente “usar/colocar/marcar com sinais de pontuação”. Com sentido figurado, também assume o significado de “assinalar, caracterizar, acompanhar, marcar, pontilhar ou separar” – mas dentro de certa sequência de tempo ou espaço, como se fossem pontos que aparecem de quando em quando. Neste último caso é comum o uso do particípio/adjetivo. Exemplos:

Ela pontuou com bela vinheta os dez quadros da apresentação.

Em discurso pontuado por ataques ao PT, o presidente nacional licenciado do PFL afirmou que a incompetência vence o medo.

A trajetória de Filipe é pontuada por uma série de coincidências.

TAUTOLOGIA VERBAL

Perguntaram-me se seria viciosa, por tautológica, a construção de sentenças como “concelebrar uma missa com os prelados” ou “compartilhar sua alegria com os amigos”, nas quais o “com” aparece duplamente. Respondo que não é.

Chama-se tautologia a repetição das mesmas palavras ou o uso de palavras diferentes para dizer o que já foi dito. Pode ser de significado ou de forma. No primeiro caso, configura um vício de linguagem; exemplo: “Haverá simulação nos atos quando as partes os tiverem simulado”. Já no segundo, de “forma”, não há problema: trata-se de fenômeno linguístico natural, de evolução regencial.

Quando se analisa a regência preposicional, dentro da regência verbal, pode-se observar um condicionamento morfossemântico entre prefixos e preposições, isto é, o prefixo da palavra regente volta sob a forma de preposição. Assim, por exemplo, de “celebrar com” e “partilhar com” tem-se a evolução para concelebrar com e compartilhar com. Do mesmo modo, temos: acorrer a, compactuar com, contemporizar com, conviver com, derivar de, embarcar em. Isso ocorre também com alomorfia (variação de forma), como em “cúmplice com, incluir em, implicar em, interpor entre, peregrinar por, perpassar por”  (cum-com / in-em / inter-entre / per-por).

— O que significa a abreviação s.m.j. que tenho, ultimamente, encontrado quase sempre em pareceres. [“Este é o nosso parecer, s.m.j.”] Significaria “sem mais justificativas”? Grimaldi, Florianópolis/SC

Essas três letras são as iniciais de “salvo melhor juízo”. Juízo no sentido de entendimento, julgamento, decisão. Também podem ser grafadas em maiúsculas: “Este é parecer que submeto a V. Exa., S.M.J.” Quanto ao seu uso e significado, é o seguinte: o parecerista redige aquilo que entende ser o ideal e apropriado; mas, num gesto de elegância, faz essa ressalva visando deixar a pessoa que lhe pediu o parecer à vontade para decidir de maneira contrária à apresentada.


* Maria Tereza de Queiroz Piacentini Diretora do Instituto Euclides da Cunha e autora dos livros ‘Só Vírgula’, ‘Só Palavras Compostas’ e ‘Língua Brasil – Crase, pronomes & curiosidades’ – www.linguabrasil.com.br

** Autorizamos a publicação da coluna, sem qualquer ônus, em jornais,
revistas e sítios da Internet. Luiz Fernando de Queiroz, diretor

FONTE: http://www.linguabrasil.com.br/

“Conheça oito palavras que moldaram nosso modo de pensar”

17/07/2017 às 3:01 | Publicado em Artigos e textos | Deixe um comentário
Tags: ,

Esse vem do blog “O Bem Viver”. Confiram a origem dessas oito palavras.


“Conheça oito palavras que moldaram nosso modo de pensar”

Homem e cérebro

 

Cada palavra carrega uma história, um segredo. Atrás das sílabas que usamos todos os dias se escondem várias narrativas esquecidas.

“Se você sabe a origem de uma palavra”, insistia o acadêmico do século 6 Isidore de Sevilha, “tudo pode ser compreendido mais claramente”. Enquanto a maioria das palavras entra em uso discretamente e sem deixar rastro de suas jornadas, há uma “elite” de invenções verbais cuja origem foi cuidadosamente registrada.

Algumas dessas palavras são criações únicas de pessoas esquecidas pela história. Outras são invenções de pioneiros culturais que deliberadamente queriam determinar como gerações futuras pensariam e falariam.

Em cada caso, investigar a biografia da palavra nos ajuda a conhecer a trajetória da pessoa que a criou, além da época em que ele ou ela viveu. A seguir, oito criações que mudaram a forma como pensamos, ouvimos, descobrimos e existimos no mundo:

Twitter

Geoffrey Chaucer

As redes sociais certamente seriam um lugar menos animado sem o logotipo do Twitter: aquele perfil azul de um pássaro voando.

Mas quem teve a imaginação para criar uma onomatopeia que combina a linguagem dos homens com a dos pássaros?

‘Twitter’ (ou ‘twiterith’, como era o termo original na metade do século 14), tirado da pena de Geoffrey Chaucer em sua tradução do livro A Consolação da Filosofia, do filósofo do século 6 Boethius, significa “gorjear” em inglês.

Ao lado de “chilrar”, “twitter” é uma das mais de 2,2 mil palavras que o poeta medieval leva o crédito por ter criado. É o mesmo autor que escreveu o poema O Parlamento das Aves, o que parece muito apropriado.

Serendipidade

Conto de fadas persa

Antes de 1754, se alguém quisesse expressar “a descoberta fortuita de algo por acaso”, ele ou ela teriam que se esforçar para dar vida a um sentimento tão complexo.

Até que, ao escrever uma carta em uma terça-feira de janeiro, o escritor inglês Horace Walpole presenteou o mundo com a animada união de sílabas “serendipity”.

Walpole disse que criou sua invenção lírica inspirado no conto de fadas persa As Três Princesas de Serendip, cujas protagonistas “estavam sempre fazendo descobertas, por acidente e sagacidade”, disse ele.

Pouca importa o fato de Walpole ter lembrado incorretamente da verdadeira essência do conto – na verdade, as princesas não conseguem encontrar o que procuram, apesar de dolorosas tentativas. “Serendipidade” veio para ficar.

E não é a única criação de Walpole. “Betweenity” (“entremeio”), uma palavra mais charmosa do que seu sinônimo mais conhecido, “intermédio”, merece a mesma afeição que sua irmã “serendipidade” recebe.

Panorama

Panorama

Algumas palavras parecem vibrar com o mesmo espírito que seu significado denota. “Panorama” é uma delas – seu ritmo próprio parece estar em harmonia com vistas amplas de topos de montanhas e horizontes infinitos.

Parece apropriado, portanto, que a palavra que literalmente significa “vista total” tenha entrado no léxico mundial em 1789, um ano lembrado pela queda da Bastilha em Paris.

Que irônico, então, descobrir que a palavra inicialmente estava ligada a uma experiência de confinamento: uma pintura cilíndrica que prende sua audiência, um mecanismo visual criado pelo artista irlandês Robert Barker.

Visualizar

Samuel Taylor Coleridge

É difícil acreditar que ninguém jamais havia “visualizado” algo antes de 1817, mas esse foi o ano em que o poeta romântico e crítico Samuel Taylor Coleridge criou a palavra em sua confissão filosófica Biographia Literaria – um século depois que a palavra “envision” (“vislumbrar”) foi criada.

Em retrospectiva, parece oportuno que um escritor cuja mente foi assombrada por visões fantasmagóricas como o navio fantasma de seu poema A Balada do Velho Marinheiro e pelos “olhos brilhantes” e “cabelo flutuante” que marcam o final de sua poesia lírica profética Kubla Khan, tenha dado o nome à ação de ver algo que não se vê.

Torturado ao longo de sua vida por substâncias materiais e imateriais, Coleridge é responsável por introduzir ao inglês outras palavras para descrever aspectos mais sombrios da experiência humana, como “psicossomático” e “pessimismo”.

Intelectualizar

Coleridge

Coleridge frequentemente ganha o crédito por ter concebido um verbo relacionado: “intelectualise” (“intelectualizar” em português), que significa transformar um objeto físico em uma propriedade da mente.

Enquanto ele certamente merece o crédito por criar um verbo que sugere justamente o contrário – o “thingify” (“coisificar”, em tradução livre”), que significa transformar um pensamento em um objeto.

Na verdade, “intelectualizar” provavelmente pertence a um poeta contemporâneo que serviu de inspiração ao poeta romântico: um viajante misterioso do século 18 conhecido pelo curioso apelido de “Stewart ambulante” por ter perambulado por boa parte do que se conhecia do mundo até então.

Em décadas viajando por Índia, África e Europa, Stewart desenvolveu uma filosofia excêntrica centrada na ideia de que corpo e mente estavam em fluxo constante entre um mundo que é o tempo todo intelectualizado e um espírito eternamente “coisificado”.

Burocracia

Mão segurando uma pena

O narrador da música Big Rock Candy Mountain, de 1928 e de autoria do cantor americano Harry McClintock, sonha com um paraíso sem preocupações onde “eles enforcam o desgraçado que inventou o trabalho”.

Enquanto a história não menciona o nome do “desgraçado” em questão, conhecemos a identidade do economista francês que inventou o nome de algo quase tão cansativo quanto: “burocracia”.

Em 1818, Jean Claude Marie Vincent de Gournay uniu a palavra francesa para mesa (bureau) ao sufixo grego que significa “o poder de” (cracia) e deu um nome àquilo que começava a sufocar a sociedade.

Por ter criado a palavra para processos governamentais que impõem regras entediantes no comportamento das pessoas, Gournay pode parecer a última pessoa que teria dado o nome ao termo que significa “deixe as pessoas fazerem o que acham melhor”: laissez-faire.

Fotografia

Sir John Herschel

É estranho pensar que um dos nomes aparentemente mais estáveis que damos aos objetos em nossa volta foram adotados gradualmente e em um processo de eliminação.

O inventor e astrônomo inglês Sir John Herschel propôs a palavra “fotografia” em 1839 e enfrentou uma competição intensa até que seu termo fosse adotado permanentemente no vocabulário mundial.

Se a história tivesse acontecido de outra maneira, sua avó poderia estar cobrando as suas “impressões de sol” ou “fotógenos”. Um termo rival, heliográfico, que competiu com “fotografia” por uma geração inteira, urgiu Herschel a ir atrás de seu dinheiro.

Trouxa

J K Rowling

Não é preciso dizer que os homens, como um gênero, não são os únicos bem-sucedidos na criação de palavras atraentes, apesar da pouca celebração de neologistas mulheres.

Com suas contribuições à cultura frequentemente marginalizadas, não é surpresa que o dicionário Oxford atribua a escritoras o primeiro uso da palavra “outsider” (“excluído”, em tradução livre), pela britânica Jane Austen em 1800, e “angst” (“raiva”) pela alemã George Eliot em 1849.

Na nossa época, mais uma vez foi uma escritora que definiu aqueles que se admiram com os poderes dos iniciados e ficam na vontade como se por feitiçaria.

A britânica J. K. Rowling criou a palavra “muggle” (“trouxa”, em português”) em seu livro Harry Potter e a Pedra Filosofal em 1997 para descrever os mortais que não têm um dom sobrenatural, o que nos lembra da magia perene das palavras: alguns as têm, outros não.

(Kelly Grovier)

FONTE: https://obemviver.blog.br/2017/06/30/conheca-oito-palavras-que-moldaram-nosso-modo-de-pensar/

Próxima Página »

Blog no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: