O ser, a neurociência e a internet

17/08/2017 às 3:56 | Publicado em Artigos e textos, Zuniversitas | Deixe um comentário
Tags: , , ,

Esse tema é atualíssimo. Quem nunca presenciou uma das cenas citadas no segundo parágrafo desse artigo ? Estamos nos perdendo entre os nós dessa grande rede que nos cerca e envolve ?

questionamento1-300x209


O ser, a neurociência e a internet

Ao longo de toda a história, o homem adaptou técnicas e criou instrumentos, num processo natural de progresso e desenvolvimento, com consequências diretas no modo de produção, consumo e informação.

A década atual tem sido marcada tanto pela expansão da variedade de mídias eletrônicas quanto pela expansão ao acesso a cada uma delas. É caracterizada também pelos almoços em família nos quais as pessoas trocam animadas conversas pela utilização de aparelhos eletrônicos. Estes são usados também para comunicação por meio de mensagens instantâneas entre pais e filhos que se encontram em cômodos distantes da casa. Grupos de amigos que saem à noite para conversar permanecem de cabeça baixa, atentos ao que se observa na tela do celular. O uso dos aparelhos eletrônicos tem se tornado uma das melhores formas de entreter crianças, que têm deixado de querer bicicletas, bolas ou bonecas e passado a desejar ansiosamente um celular para uso pessoal.

Neste sentido, convém ainda analisar todos estes impactos no que diz respeito ao desenvolvimento das habilidades associadas à teoria da mente. O contato excessivo com as novas mídias digitais tem prejudicado as interações sociais em tempo real, no “mundo real”, o chamado “olho no olho”. Com isso, as oportunidades para aprender a ler as emoções e sentimentos alheios – e assim desenvolver a capacidade de se colocar no lugar do outro–estão diminuindo à medida que outras formas de comunicação vão ganhando espaço, assim como as conversas presenciais são substituídas por e-mails, posts, mensagens ou até fotos, tornando os relacionamentos na era moderna extremamente superficiais. Há, ainda, outra onsequência imediata, diante do exposto: a ausência do encontro consigo mesmo, da introspecção, necessários para o armazenamento e fixação da aprendizagem.

Do ponto de vista educacional, importa observar que a atenção é um fator primordial para a aprendizagem. Nosso sistema nervoso tem uma enorme capacidade de computação, mas ainda assim não é capaz de processar todas as informações que chegam a ele sincronicamente. Os jovens costumam estudar envolvidos em multitarefas: livro aberto, mas com o computador ligado, o celular transmitindo música e recebendo mensagens, tudo ao mesmo tempo. Não é a melhor maneira de aprender e definitivamente não conduz a uma aprendizagem mais profunda, necessitando de uma urgente reeducação e orientação no que se refere ao uso de toda essa tecnologia.

São inegáveis os benefícios e possibilidades trazidos pelo advento da internet e das novas mídias digitais, mas é preciso equacionar o seu uso adequadamente, em proveito do ser e da sua qualidade de vida.

(Erivan Augusto Santana, Professor, escritor e poeta)

FONTE: Jornal A TARDE, Salvador-BA, 15.08.2017

As escolas de Rui

16/08/2017 às 3:46 | Publicado em Artigos e textos, Zuniversitas | 3 Comentários
Tags: ,

Quem for desavisado ou não conhecer a realidade baiana pode pensar que esse artigo trata-se de um exemplo de “puxa-saquismo explícito”. Mas não é. Rui Costa vem surpreendendo muita gente. E quem se preocupa com Educação tem que aplaudir essas iniciativas, tão raras hoje em dia. Parabéns Governador !

ensino-a-distancia-720x320


AS ESCOLAS DE RUI   jorge-portugal

Oswald de Andrade: “Aprendi com meu filho de cinco anos que a poesia é a descoberta das coisas que nunca vi”. A descoberta das coisas que nunca vi tanto vale para a poesia como para a invenção tecnológica, a ponta avançada da ciência. Como um dia me disse Marluce Pinto, então diretora da Rede Globo, que na Bahia acontecem coisas que não acontecem no resto do Brasil, na semana passada, o governador Rui Costa lançou, em Itabuna, as “Escolas Culturais”; e já nesta semana, em Salvador, durante o Campos Party, as “Escolas Tecnológicas”.

Ladeado por esse “louco de Deus” José Vivaldo, secretário de Ciência e Tecnologia e o “não menos louco” Francesco Paruggia, presidente do Instituto Campos Party, anunciam o projeto-piloto para Canudos, onde professores de 16 e 17 anos vão ministrar aulas para estudantes de… 15 e 16 anos! Olhe bem: começando por Canudos, onde, há 120 anos tentaram matar o espírito da rebeldia e resistência do povo brasileiro. Agora, vão engolir Conselheiro, Pajeú, Beatinho, reencarnados em nerds do terceiro milênio!

Na última sexta-feira, ao me dirigir ao Pelô, para falar de Jorge Amado com o professor Pasquale Neto e lançar meu livro, fui interceptado por um anônimo poeta de rua que me recitou a seguinte quadra: “Rui correria/ Rui malucão/ Rui Poesia/ Rui invenção”. Pensei: “Caramba, Rui Costa já está na boca do povo, na veia do povo, em forma de poesia! Não é mais da política: já é da cultura!

De fato, com as duas escolas, Culturais e Tecnológicas, ele ata as duas pontas do conhecimento humano: o samba de roda, a capoeira e a inteligência artificial e os robôs.

Quem chegou tão longe? Talvez nem Jaques Wagner, esse gênio judeu-baiano, artesão da política e da paz (Epa Babá!). Mas esse tal de Rui Costa… Deus do céu! “Rui correria/ Rui invenção”. Caetano disse, um dia, que o Brasil ainda não merecia a Bossa Nova. Será que já merece Rui Costa?

(Jorge Portugal)

FONTE: Jornal A TARDE, Salvador-BA, ontem.

MIT criou algoritmo que permite criar qualquer coisa com papel

10/08/2017 às 3:18 | Publicado em Artigos e textos, Zuniversitas | Deixe um comentário
Tags: , ,

10Muito interessante essa tecnologia. Confiram !

MIT-Origamizer_0


MIT criou algoritmo que permite criar qualquer coisa com papel

Uma nova tecnologia recém-desenvolvida por um grupo de pesquisadores do MIT e da Universidade de Tóquio pode resultar na criação de objetos bastante interessantes feitos, acredite se quiser, em papel. E não estamos falando em um simples recorte no material, mas sim em origamis incrivelmente complexos, capazes de simular praticamente qualquer forma.

Para tal, os pesquisadores desenvolveram um algoritmo incrivelmente poderoso. Este basicamente cria instruções de como dobrar um pedaço de papel para torna-lo qualquer tipo de poliedro (qualquer objeto tridimensional composto apenas de faces lisas, como cubos, prismas e outras formas).

Isso pode não parecer muito, em um primeiro momento. Mas, quando consideramos que praticamente qualquer forma pode ser aproximada a um poliedro – inclusive, lembrando que as figuras tridimensionais que vemos em vídeos, animações e games são basicamente poliedros incrivelmente complexos –, fica difícil não imaginar todo o potencial.

Criando o algoritmo dos super origamis

Vale notar que esse não é nem de longe o primeiro algoritmo de origami computacional já feito. Tanto Erik Demaine (do MIT) quanto Tomohiro Tachi (de Tóquio), os dois criadores desse novo sistema, haviam trabalhado em tecnologias semelhantes anteriormente; ambos, contudo, funcionavam com a ajuda de algumas “trapaças”.

O algoritmo de Demaine, por exemplo, precisava trabalhar obrigatoriamente com tiras de papel compridas e finas, o que significava um aproveitamento mínimo ao usar um tradicional quadrado de papel. Já o de Tachi foi o primeiro de seu gênero para a criação de formas 3D em origami, ainda em 2008, mas não era tão robusto.

Com o algoritmo de Demaine e Tachi, porém, esses problemas e limitações simplesmente não existem. Ele até mesmo traz algumas vantagens bastante interessantes, como a capacidade de ser usado para a criação de recipientes simplesmente trabalhando nas bordas dos objetos (e considerando, é claro, que o papel usado seja impermeável).

Pois é. Como falamos antes, o potencial desse algoritmo é simplesmente absurdo. Resta apenas torcer que empresas comecem a usar isso para colocar essas ideias em prática.

FONTE(S)

IMAGEN(S)

FONTE: https://www.tecmundo.com.br/tecnologia/118348-mit-criou-algoritmo-permite-criar-qualquer-coisa-papel.htm

Energia Solar, a solução !

07/08/2017 às 3:45 | Publicado em Midiateca, Zuniversitas | Deixe um comentário
Tags: ,

Como sempre disse: a questão não é tecnológica, é econômica. Num país como o Brasil já devíamos estar usando em massa a Energia Solar.


Próxima Página »

Blog no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: