O EVANGELHO SEGUNDO JESUS CRISTO

10/01/2019 às 3:22 | Publicado em Zuniversitas | Deixe um comentário
Tags: , , ,

Saramago foi gênio sobre vários aspectos, não só no que diz respeito à literatura única que produziu. Relendo esse O EVANGELHO SEGUNDO JESUS CRISTO, me concentrei na passagem, num dos últimos capítulos, onde Jesus dialoga com Deus e o Diabo, dentro de um pequeno barco, no meio do mar e rodeado por um denso nevoeiro. Aquelas poucas páginas para mim são antológicas na literatura em língua portuguesa.


 

 

Anúncios

ALMAS MORTAS

08/01/2019 às 3:10 | Publicado em Baú de livros | Deixe um comentário
Tags: ,

Recomendo essa obra para quem quiser aprender mais sobre a cultura e o modo de vida do povo da Rússia do século XIX, esse país continental que fascina quem se atreve a conhecê-lo.


 

Ler

04/01/2019 às 11:10 | Publicado em Fotografias e desenhos, Zuniversitas | Deixe um comentário
Tags: , ,

Bom lembrar disso em tempos tenebrosos !


Ler

COMO AS DEMOCRACIAS MORREM

03/01/2019 às 3:32 | Publicado em Artigos e textos, Zuniversitas | Deixe um comentário
Tags: , ,

Muito bom e oportuno esse artigo do Professor Carlos Zacarias de Sena Júnior da UFBA. A gente fica com vontade de ler o livro homônimo indicado. A analogia com o Brasil atual é até óbvia. Confiram !


COMO AS DEMOCRACIAS MORREM

O titulo deste artigo é o mesmo do livro dos cientistas políticos e professores de Harvard Steven Levitsky e Daniel Ziblatt. Publicada nos Estados Unidos em 2018 e logo traduzida para vários países da Europa devido ao imenso sucesso, a obra foi editada no Brasil pela Zahar e já consta na lista dos mais vendidos de não ficção, junto de livros exaustivamente propagandeados, como os de Olavo de Carvalho, guru do presidente eleito.

Como as democracias morrem, tema que pretendo desenvolver em dois artigos, surgiu da preocupação dos autores que viram acender à luz de alerta com a eleição de Donald Trump, em 2016, à presidência dos EUA. Entre os objetivos do texto, como se pode imaginar, consta a reflexão sobre a forma como as democracias sucumbiram em alguns países e em circunstâncias históricas específicas, mas também sobre o porquê de não terem sucumbido em muitas outras situações em que esteve em risco.

Levistky e Ziblatt escrevem um texto enxuto, objetivo, com boa narrativa e sem nenhum excesso. Num estilo claro e preciso, investido do propósito de dizer coisas incômodas, mas necessárias para quem preza pela democracia, os autores defendem que as democracias por vezes morrem sem que à sociedade se dê conta do processo enquanto ele está se dando. No mais das vezes, tais processos ocorrem dentro dos marcos legais, inclusive por eleições, o que provoca confusão na sociedade que acredita que as instituições estão funcionando, a imprensa permanece livre e a liberdade impera. Mais comumente, o que se dá é que a democracia é abatida através de processos eleitorais, algo com paralelo ao que aconteceu na Itália e na Alemanha nos anos 1920 € 1930, quando partidos e “elites políticas”, que deveriam ser os guardiões do estado de direito, abriram as portas para o advento de extremistas e outsiders, que culminaram em brutais ditaduras, como as de Hitler e Mussolini.

Para quem pensa que ditaduras estão apenas nas páginas dos livros de história, numa tipologia elaborada para se reconhecer um autoritário, Levistky e Ziblatt recorrem ao politólogo alemão Juán Linz, estudioso das formas de ditadura que atravessaram O século XX, para afirmar que as democracias podem ser efetivamente ameaçadas a qual- quer tempo. quando políticos: “1) rejeitam, em palavras ou ações, as regras democráticas do jogo, 2) negam a legitimidade de oponentes; 3) toleram e encorajam a violência; e 4) dão indicações de disposição para restringir liberdades civis de oponentes, inclusive a mídia”.

Com os olhos postos na ascensão de um demagogo como Donald Trump, os professores de Harvard não deixam de sugerir analogias com o Brasil, onde a eleição de alguém que abertamente defende a ditadura, constitui-se em verdadeira ameaça à precária democracia, edificada há pouco mais de 30 anos.

(Carlos Zacarias de Sena Júnior)

FONTE: Jornal A TARDE, Salvador-BA, 07.12.2018

Próxima Página »

Blog no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: