ANITA LEOCÁDIA PRESTES – VIVER É TOMAR PARTIDO

27/01/2020 às 2:52 | Publicado em Baú de livros, Zuniversitas | Deixe um comentário
Tags: , ,

Excelente esse livro de Anita Leocádio Prestes. Recomendo fortemente aos interessados em História do Brasil. Também convido quem por aqui passar a visitar o site do Instituto Luiz Carlos Prestes: http://www.ilcp.org.br/prestes/

image


ANITA_LEOCADIO_PRESTES

Livros, duas indicações

18/01/2020 às 6:47 | Publicado em Baú de livros | Deixe um comentário
Tags: , , ,

Concluí a leitura de dois bons livros recentemente. Ambos li via Kindle, portanto ebook. Para mim não interessa o meio, o que interessa é a boa leitura. WATERLOO foi uma das maiores batalhas de todos os tempos, onde um duque inglês, Wellington, venceu um dos maiores generais de todos os tempos, Napoleão Bonaparte. Bernard Cornwell é um craque da escrita, mas esse livro, diferente dos outros que li dele, se parece mais com uma descrição histórica que um romance. 17 EQUAÇÕES QUE MUDARAM O MUNDO, de Ian Stewart, é um livro que não se destina apenas aos que gostam de Matemática porque traz uma boa contextualização histórica e científica de cada uma das equações elencadas na obra. Recomendo, pois, os dois livros !


waterloo


17Equacoes

FotoVersando no Sertão

07/01/2020 às 3:50 | Publicado em Baú de livros, Zuniversitas | Deixe um comentário
Tags: ,

Que beleza de livro. A junção de belas fotos com poesias, tendo como pano de fundo o sertão do semi-árido nordestino. Parabéns Agnaldo Rocha !


 

FotoversandoNoSertao

 

FotoversandoNoSertaoAutor

ELES PASSARÃO, EU PASSARINHO: HÁ 113 ANOS, NASCIA MARIO QUINTANA

19/12/2019 às 4:55 | Publicado em Artigos e textos, Baú de livros, Canto da poesia, Zuniversitas | Deixe um comentário
Tags: , ,

Eu o chamo sempre por “o poetinha”. Um dos maiores da língua portuguesa. Segue aqui hoje uma homenagem simples como ele, pelos seus 113 anos de vida. O que o autor do texto não diz é que o grande jogador Falcão ajudou muito o poeta-passarinho Mario Quintana, fato que eleva ainda mais minha estima por um dos maiores craques que o Brasil já teve.

“Todos esses que aí estão
atravancando meu caminho,
eles passarão…eu passarinho!”


 

ELES PASSARÃO, EU PASSARINHO: HÁ 113 ANOS, NASCIA MARIO QUINTANA

Poeta gaúcho é considerado um dos maiores nomes da literatura brasileira

Mario Quintana

Há exatos 113 anos, em 1906, nascia em Alegrete, pequena cidade no Rio Grande do Sul, o poeta Mario Quintana.

Apesar de ser o mais novo de 11 irmãos, Mario de Miranda Quintana — sem acento mesmo, como fora registrado, de acordo com o próprio — viveu uma vida solitária. Alfabetizado em casa pelos pais, já falava francês aos sete anos. Foi enviado por eles ao Colégio Militar, em Porto Alegre, uma grande decepção em sua vida — no entanto, foi na revista do colégio que seus primeiros escritos foram publicados.

Descoberto por outro renomado escritor gaúcho, Érico Veríssimo, com quem teve uma longa amizade, Quintana trabalhou por muitos anos na Editora Globo, onde traduziu inúmeros livros como Em Busca do Tempo Perdido, de Marcel Proust, e Mrs. Dalloway, de Virginia Woolf.

Enquanto isso, também escrevia suas próprias obras, focado principalmente em poesia e livros infantis. Seu primeiro livro de poesias, Rua dos Cataventos, foi publicado em 1940 e o lançou no cenário literário do país.

Quintana escrevia de maneira prolífica e silenciosa, mantendo-se distante dos holofotes. Seu estilo irônico dava certo tom de comicidade à sua obra, mesmo com os temas mais recorrentes sendo a morte, o tempo, e a ideia de infância perdida.

Solteiro até o fim da vida, o poeta tinha o hábito de viver em hotéis. O Hotel Majestic, onde viveu por 12 anos em Porto Alegre, é hoje a Casa de Cultura Mario Quintana. Se estivesse vivo, Quintana provavelmente repudiaria a ideia. Certa vez, disse que “preferia ser alvo de um atentado do que de uma homenagem”.

A acidez não era só característica de sua obra, mas sim do próprio autor. Quando foi definido pelo amigo Veríssimo como um anjo, respondeu que preferia o diabo, pois ele é mais divertido. Homenageado em sua cidade natal de Alegrete com um busto de bronze, foi chamado pelo prefeito para compor a inscrição que acompanharia a estátua. A frase composta por ele foi simples e objetiva: “Um engano em bronze é um engano eterno”.

Sua aversão à política foi motivo de críticas ao longo de sua carreira (afinal, passou pelo Estado Novo e pela Ditadura Militar, momentos de grande repressão no país), e foi o motivo de seu embate com a Academia Brasileira de Letras.

Quintana candidatou-se por três vezes a uma vaga na instituição, mas foi rejeitado nas três por não ter conseguido a cota necessária de 20 votos. Lamentou que a casa fundada por Machado de Assis tivesse se tornado tal antro de politicagem e, quando chamado para se candidatar pela quarta vez sob a promessa de unanimidade, recusou.

Fumante em grande parte de sua vida, faleceu em 1994, aos 87 anos, em decorrência de uma insuficiência respiratória. Ainda vive, no entanto, em seus inúmeros poemas, contos, livros infantis e traduções.

FONTE: https://aventurasnahistoria.uol.com.br/noticias/personagem/eles-passarao-eu-passarinho-ha-113-anos-nascia-mario-quintana.phtml

Próxima Página »

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: